Huffpost Brazil

Academia de artes marciais quer mostrar que chorar também é coisa de homem

Publicado: Atualizado:
ACADEMIA CHORO
Reprodução/Youtube
Imprimir

Um menino, vestido em um kimono, tenta quebrar uma tabua com golpes. Ele tenta, tenta, tenta até que consegue - mas se machuca e se frustra tanto com as várias tentativas que começa a chorar.

O professor, um homem alto e forte, dispara a pergunta: "Por que você está chorando?". O resto da cena é surpreendente: em vez de humilhar o garoto com o clichê "homens não choram", o mestre diz: "É ok chorar. Nós choramos como homens. É disso que se trata essa aula".

Jason Wilson, mestre de artes marciais há 22 anos, é o professor da cena acima. Para ele, dizer que "meninos não choram" é besteira - todo mundo chora, afinal.

Para explorar isso, Wilson criou a academia de artes marciais The Cave of Adullam, em Detroit - uma das cidades com mais violência policial e de gangues dos EUA .

Diferente da maioria das escolas de luta, a Cave of Adullam não foca apenas no físico - nem incentiva seus alunos a participar de competições: a ideia é "ensinar, treinar e transformar esses meninos antes que o mundo o faça", diz Wilson, no vídeo de apresentação da academia.

A escola - que Wilson chama de Transformational Training Academy (Academia de Treinamento Transformacional), ensina as modalidades Aikijutsu, Jiujitsu, Kempo e Boxe e, ao mesmo tempo, os professores - o mestre Wilson e o instrutor Chris Norris - ajudam os garotos a encarar emoções como raiva, tristeza, saudade e inveja.

A ideia é mostrar para os meninos que é falsa a noção de masculinidade que os filmes, os quadrinhos e as séries de TV passam: aquele sujeitão agressivo, sem contato com as próprias emoções. "Durão", no jargão das dublagens.

"Ninguém permite que homens sejam emocionais. A cultura prega que nós usemos uma roupa de Super-homem o tempo todo. Isso acaba machucando os próprios meninos", explica Wilson.

Outra frente de luta contra a "falsa masculinidade" é o fortalecimento dos laços entre pais e filhos: em algumas aulas, os pais podem participar, e exercícios em duplas são passados para aumentar a confiança e a comunicação entre os dois - um exemplo desse tipo de exercício são as flexões do pai com o filho nas costas, que funciona como uma metáfora da sustentação dos filhos.

O professor também procura dar um apoio aos muitos alunos cujos pais são ausentes - o que, segundo Wilson, muitas vezes desencadeia a agressividade nos meninos. "Estaremos aqui para eles. Queremos que eles saibam que aqui há alguém com quem eles podem contar".

"Minha tese de combate é amar sempre e só lutar se for necessário", diz Wilson. "É vital que eu ensine os meninos que a violência começa antes que os punhos sejam cerrados, e antes que as balas sejam disparadas. Qualquer um pode quebrar a mandíbula de alguém, mas queremos ensinar que esses meninos não precisam provar que são poderosos".

Assista (em inglês):

Viver bem é o tipo de desejo tão universal que se tornou um direito. Mas não há fórmula ou mágica que o garanta, o que deixa, para cada um de nós, a difícil tarefa de descobrir e pavimentar o próprio caminho. A newsletter de Equilíbrio vai trazer a você textos e entrevistas sobre saúde mental, angústias, contradições e alegrias da vida. Assine aqui para receber novidades no fim de semana.

LEIA MAIS:

- Chorar bastante pode fazer bem

- Escolas ensinam a lidar com as emoções

- ‘Diário da Mente' oferece um lugar seguro para que os homens se abram sobre suas emoções

Também no HuffPost Brasil

Close
Homens famosos derrubam estigma da saúde mental
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção