Huffpost Brazil

Nadadores dos EUA são indiciados por inventar assalto no Rio de Janeiro

Publicado: Atualizado:
NADADORES
Montagem/Reuters
Imprimir

As mentiras dos nadadores norte-americanos mancharam a sua reputação e, agora, ao menos dois deles terão ficha criminal no Brasil.

O medalhista Ryan Lochte e o jovem James Feigen vão ser indiciados por falsa comunicação de crime, de acordo com a GloboNews:

Os dois inventaram à Polícia Civil do Rio de Janeiro que haviam sido roubados no domingo (14). O "assalto" foi na verdade uma confusão em um posto de gasolina no Rio, iniciada pelos atletas.

Um vídeo mostra uma briga entre eles e supostos seguranças do local na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade.

Os nadadores chegaram bêbados ao posto, danificaram a porta de um banheiro e urinaram em área imprópria.

"Pararam na lateral do posto, saíram mijando a lateral do posto todo. Tem até imagem da bunda de um, arriando a calça. Foram indicados a ir no banheiro, mas mijaram na lateral, na parede. Não obedeceram à placa, não foram ao banheiro", contou o dono do posto, que não quis se identificar ao jornal O Globo.

"Foi puro vandalismo. Eles arrancaram a placa e jogaram no chão. O Lochte era o mais abusadinho", acusou o proprietário.

Os supostos seguranças teriam apontado arma para os nadadores para que eles esperassem a polícia chegar e pagar pelo prejuízo.

A princípio, os nadadores registraram BO dizendo que haviam sido assaltados em uma falsa blitz policial, que parou o táxi deles.

Policiais notaram as inconsistências das versões dos competidores olímpicos, e por isso o caso foi tomando outra direção.

Mais cedo, a organização da Rio 2016 saiu em defesa dos suspeitos. O comitê disse que eles não precisavam pedir desculpas por terem mentido sobre um crime inexistente.

Na quarta-feira (17), três nadadores foram impedidos por autoridades brasileiras de deixar o País pelo aeroporto do Galeão. A Justiça brasileira havia impedido o embarque deles até que o caso fosse esclarecido. Ryan Lochte já havia saído do Brasil.

O advogado de Lochte, Jeff Ostrow, afirmou que não havia sido formalizado um pedido para o atleta permanecer no País. Ele também acusou a polícia brasileira de "fazer um circo", para "salvar sua pele".

LEIA MAIS:

- Nadador americano Ryan Lochte é pego na mentira e internet não perdoa

- Polícia suspeita de versão sobre assalto e atletas americanos são proibidos de deixar o Brasil

Também no HuffPost Brasil

Close
As fotos mais incríveis da Olimpíada Rio 2016
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção