Huffpost Brazil

Games violentos não tornam seu filho agressivo, diz pesquisa

Publicado: Atualizado:
Imprimir

kids videogames

Especialistas em desenvolvimento infantil discutem há anos o efeito de jogos violentos no comportamento das crianças - e o bate-boca intelectual está longe de terminar.

Mas o estudo mais recente feito com voluntários com uma média de 12 anos mostra que os jogos têm menos influência sobre as reações infantis do que se imaginava.

A nova pesquisa analisou o comportamento de 304 crianças britânicas. Os pesquisadores entrevistaram as crianças e os pais para entender o quanto elas estavam expostas a jogos violentos e como era seu comportamento com os amigos, na escola e na comunidade onde viviam.

Ao contrário da maioria dos estudos que estuda a relação entre videogames e agressividade, que geralmente estudam adolescentes de no mínimo 16 anos, a nova pesquisa deu destaque a crianças mais novas - antes da fase da "aborrecência".

Os cientistas não encontraram nenhuma ligação entre um aumento de comportamentos agressivos e o envolvimento com videogames, mesmo que violentos.

As crianças jogadoras também não apresentavam uma frequência maior de atitudes antissociais e de bullying com os colegas. Pelo contrário, os pesquisadores encontraram uma relação entre jogar videogame e se envolver com mais frequência no que eles chamam de "atividades cívicas", como o trabalho voluntário.

A correlação entre ser mais participativo na comunidade e jogar mais videogame era bastante leve - não dá para dizer que um fator causou o outro, nem que todo jogador vai gostar de ser voluntário ou vice e versa.

Mas o resultado é mais um argumento contra a ideia de que as imagens violentas dos jogos influenciam negativamente a vida das crianças.

O estudo também considerou o quanto os pais interferiam no processo da escolha de jogos. E perceberam que a influência parental... não afetava a quantidade de jogos violentos que as crianças jogavam. Pode ser que elas sejam expostas a esse tipo de conteúdo fora de casa, com os amigos.

Outra possível explicação é que, quando os pais conhecem os jogos de perto, eles mesmos acabam se acostumando com o ambiente do jogo e deixam de censurar as crianças.

Seja como for, não adianta tentar controlá-los: os pequenos jogadores acabam encontrando um jeito de acessar os videogames de que gostam. Felizmente, os pesquisadores concluíram que não há perigo nisso.

A última parte do estudo analisou os motivos para as crianças buscarem jogos violentos. A resposta encontrada pelos cientistas foi de que esses videogames são ferramentas úteis de redução de estresse e melhora de humor.

Mesmo estudos que apontam os jogos como responsáveis por comportamento agressivos concordam que eles podem ter uma função educativa, ajudando a liberar a raiva e melhorar as habilidades de resolução de problemas.

Viver bem é o tipo de desejo tão universal que se tornou um direito. Mas não há fórmula ou mágica que o garanta, o que deixa, para cada um de nós, a difícil tarefa de descobrir e pavimentar o próprio caminho. A newsletter de Equilíbrio vai trazer a você textos e entrevistas sobre saúde mental, angústias, contradições e alegrias da vida. Assine aqui para receber novidades no fim de semana.

LEIA MAIS:

- O filho que ela só conheceu depois da tragédia de Columbine

- A escola tem papel fundamental na saúde mental de uma criança

- Academia de artes marciais quer mostrar que chorar também é coisa de homem