Huffpost Brazil

A Paralímpiada não é feita de 'coitadinhos'. Mas de atletas de ALTÍSSIMO rendimento

Publicado: Atualizado:
Imprimir


paralimpíada

"Às vezes, tudo o que você precisa para mudar de opinião é olhar mais de perto."

Este vídeo da Paralímpiada pode ser sintetizado na seguinte mensagem: atletas paralímpicos não são coitadinhos e não são heróis com superpoderes.

Eles são atletas de alto rendimento, que treinam duríssimo e enfrentam desafios diários, sobretudo o preconceito, para alcançar o sonho de disputar uma Olimpíada. E eles merecem ser reconhecidos por isso!

Os Jogos de Londres confirmaram essa mudança na imagem dos atletas. Com o desenvolvimento dos treinamentos e o investimento na formação, o alto rendimento já se tornou uma realidade. E agora, a luta é pela a superação das marcas, não somente das deficiências físicas.

Alan Fonteles, competidor do atletismo, foi consagrado com três medalhas de ouro e uma de prata no Mundial da modalidade. Em entrevista ao Globo Esporte, o atleta afirmou ser exemplo dessa transformação:

"Hoje eu tenho tempo de atleta convencional. Não tem mais essa história de 'Ah, os atletas paralímpicos são coitados'. Eu mostrei isso e outros atletas paralímpicos também mostraram a nossa capacidade e aonde a gente pode chegar."

Terezinha Guilhermina também persegue os recordes. A velocista cega mais rápida do mundo sabe das dificuldades enfrentadas, mas também reforça quantos paradigmas estão sendo quebrados quando há oportunidades para que qualquer um possa desenvolver seus potenciais.

"Entendo que as pessoas que não têm nada podem alcançar muito mais. E eu nunca aceitei o pouco que tinha", disse, em entrevista ao HuffPost Brasil.

O Comitê Paralímpico Brasileiro se prepara para levar ao Rio a maior delegação brasileira da História de uma Paralimpíada. São, no total, 279 atletas — 181 homens e 98 mulheres, acompanhados de um staff que inclui atletas-guias e goleiros, de acordo com a Agência Brasil.

O Brasil quer ficar em 5º lugar, duas posições acima do quadro de medalhas dos jogos de Londres, em 2012.

Sem dúvida, estaremos na torcida por nossos atletas do mesmo modo vibrante que na Olimpíada!

LEIA MAIS:

- Terezinha Guilhermina, velocista cega mais rápida do mundo, quer te inspirar: 'Nunca aceitei o pouco que tinha'

- 1º OURO do Brasil é de uma mulher: Rafaela Silva vence no judô!

Também no HuffPost Brasil

Close
Copa UPP, onde o futebol reina entre PMs e comunidades do Rio
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção