Huffpost Brazil

Julgamento de Dilma Rousseff começa com polêmica sobre jantar de Temer com Renan

Publicado: Atualizado:
TEMER RENAN
Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
Imprimir

A etapa final do julgamento da presidente afastada, Dilma Rousseff, começou com uma discussão sobre um jantar do presidente em exercício, Michel Temer, com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) na noite desta quarta-feira (24).

De acordo com a Folha de São Paulo, no encontro, Renan disse a Temer que o processo de impeachment poderá ser concluído na madrugada de segunda para terça-feira (30), um dia antes do estimado no cronograma acordado na semana passada.

Segundo relato dos presentes no jantar na residência oficial da Câmara dos Deputados, o presidente do Senado disse que, se necessário, haverá sessões no sábado e no domingo, diferente do que estava previsto.

Temer pretende viajar na noite de terça-feira para reunião do G-20 na China e convidou Renan para acompanhá-lo. Ontem, o interino disse à Folha que terá os votos suficientes para continuar no Planalto.

Nesta reta final, são necessários 54 votos para afastar Dilma definitivamente. Dentro do Palácio do Planalto, a expectativa é de chegar a 63 senadores.

Aliado da petista, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) afirmou que neste momento o Legislativo tem papel de Judiciário e que um juiz não poderia se encontrar com uma das partes interessadas no processo, em referência ao encontro de Temer e Renan.

"O senador Lindbergh não questionou quando o presidente Renan esteve com Dilma. Não há que se estranhar que um chefe de poder mantenha contato com chefe de outro poder", rebateu o líder do PSDB, Cássio Cunha Lima. Ele reclamou ainda a estratégia da defesa, de procrastinar o processo.

Responsável por conduzir o julgamento final, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, acalmou os ânimos. "Esse julgamento tem prazo para começar e não tem para terminar. Desenvolveremos nosso trabalho respeitando todo o processo legal", afirmou.

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, um ministro do governo interino disse que foi feita uma brincadeira durante o jantar sobre antecipar o impeachment.

O ministro anunciou que irá responder a todas as questões de ordem em bloco. Em seguida, os senadores começam a ouvir as testemunhas de defesa e de acusação.

Dilma é acusada de crime de responsabilidade pela edição de decretos sem autorização do Congresso e pelas pedaladas fiscais, atrasos de repasses do Tesouro Nacional para o Banco do Brasil no Plano Safra.

LEIA TAMBÉM

- Último round para Dilma: Começa etapa final do julgamento do impeachment

- PT rejeita proposta de Dilma de plebiscito sobre novas eleições

- Para assegurar impeachment, Temer investe no corpo a corpo com senadores

Também no HuffPost Brasil:

Close
Manifestações contra votação do impeachment no senado
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção