Huffpost Brazil

PM lança bombas de efeito moral e reprime protesto contra impeachment em São Paulo

Publicado: Atualizado:
PROTESTO
PM reprime manifestantes com violência | Christina Braga/ Jornalistas Livres
Imprimir

O protesto contra o impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, que começou pacífico em São Paulo virou confusão na Avenida Paulista.

Com brados de "Fora Temer", os manifestantes interromperam o trânsito na via cartão-postal da capital paulista em horário de pico no fim da tarde desta segunda-feira (29).

A Polícia Militar de São Paulo reagiu à marcha, lançou bombas de efeito moral e usou spray de pimenta para dispersar a manifestação.

De acordo com o Mídia Ninja, a repressão da PM foi violenta, apesar da presença de idosos e crianças no local.

O coletivo Jornalistas Livres entrevistou a fotógrafa Márcia Zoet, que denuncia ter sido atingida por bombas da PM.

Segundo o G1, a PM informou que a manifestação foi interrompida porque o grupo não divulgou o itinerário.

Em resposta à repressão policial, os manifestantes montaram barricadas em frente ao Masp e ao parque Trianon.

protesto

O protesto acabou esvaziado pela PM, e os participantes desceram pela rua da Consolação.

O cheiro de spray de pimenta usado pela PM tomou conta da vizinhança.

Manifestantes responderam com novas barricadas.

Em outros pontos da capital, eles quebraram vidro de ônibus.

Close
Manifestação contra impeachment de Dilma
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual


No protesto, além de manifestantes #PelaDemocracia, estão militantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto).

O ato convocado pela Frente Brasil Popular contou com a participação de cerca de 20 mil pessoas, segundo a CUT. A PM não divulgou dados oficiais.

LEIA MAIS:

- 'Eu não assisti. Sabe que eu não tive tempo?', diz Temer sobre o discurso de Dilma

- Dilma chega ao Senado para se defender ao lado de Lula e Chico Buarque

Também no HuffPost Brasil

Close
Impeachment de Dilma Rousseff
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção