Huffpost Brazil

Você se lembra de Brock Turner? Condenado por estupro, ele sairá da prisão no fim da semana

Publicado: Atualizado:
BROCK TURNER
Handout . / Reuters
Imprimir

O ex-aluno da prestigiosa Universidade de Stanford Brock Turner foi preso em 18 de janeiro de 2015, acusado de ter estuprado uma mulher que estava inconsciente.

Em março deste ano, Turner foi condenado a seis meses de prisão depois de ser considerado culpado por três acusações de abuso sexual - que poderiam ter rendido uma pena de até 14 anos.

Na próxima sexta-feira (2), Turner vai sair da cadeia, após cumprir uma pena de apenas três meses, como se sua sentença já não fosse branda o suficiente.

Segundo o Huffington Post, sua sentença foi reduzida para três meses antes mesmo que ele chegasse a ir para trás das grades, por conta de "créditos automáticos" de bom comportamento, que valem mesmo antes do início da sentença.

Durante os três meses que passou na prisão, ele foi mantido o tempo todo sob custódia e proteção especial, por conta do risco que estupradores correm de ser agredidos por outros presos quando estão atrás das grades.

Esta é a crítica do HuffPost:

"A sentença leniente de Turner é o exemplo perfeito do que acontece quando a cultura do estupro e os privilégios raciais colidem. Não interessa que existiam muitas evidências contra Turner, não interessa que a vítima estava inconsciente e sozinha, também não interessa que ele tenha sido condenado - o jovem atleta "promissor e bem sucedido" cumpriu apenas três meses de pena por estuprar uma jovem cujo nível de álcool no sangue estava três vezes mais alto do que o limite legal, e que ficou desacordada por três horas na noite do crime."

O caso ganhou ainda mais atenção quando o testemunho da vítima foi publicado em forma de carta aberta. Ela leu seu testemunho na frente do seu estuprador, no tribunal.

"Você não me conhece, mas você já esteve dentro de mim, e é por isso que estamos aqui hoje", começa o texto. "Seu dano foi concreto, sem títulos, graus, rótulos. Meu dano foi interno, invisível, eu o carrego comigo. Você tirou meu valor, minha privacidade, minha energia, meu tempo, minha segurança, minha intimidade, minha confiança, minha própria voz, até hoje."

Diante da pena de apenas seis meses - que foi criticada inclusive por autoridades - a qual o rapaz foi condenado, a Califórnia chegou a modificar sua legislação e tornar um tempo mínimo de três anos de prisão obrigatório para casos como o de Turner.

Na época, o pai de Turner chegou a publicar uma carta onde criticava a pena, considerada por ele "muito dura para um ato que durou apenas 20 minutos". Responsável pela determinação da pena, o juiz Aaron Persky, ex-aluno de Stanford, disse que a prisão vai ter um "impacto severo" no jovem e argumentou que foi leniente por conta das "referências positivas" e da ausência de histórico criminal do rapaz.

Enquanto uma mulher foi brutalmente estuprada, corajosamente enfrentou seu agressor na justiça e vai conviver com um trauma para o resto da vida, Brock Turner passou apenas um verão (no Hemisfério Norte) na cadeia, por ter estuprado uma mulher que estava inconsciente. Quem pagou o preço mais alto?

LEIA MAIS:

- 'Seu filho agiu como um monstro', diz autor de carta destinada a pai de estuprador

- Prisão é demais para 'ato que durou só 20 minutos', diz pai de estuprador nos EUA

- EMOCIONANTE: Formatura de Stanford se transforma em ato contra cultura do estupro

Também no HuffPost Brasil

Close
Famosos que reforçam a cultura do estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção