Huffpost Brazil

Luiza Brunet fala sobre violência sofrida em entrevista à Claudia: 'É duro criar coragem e pôr um ponto final'

Publicado: Atualizado:
LUIZA BRUNET
Jim Spellman via Getty Images
Imprimir

Em entrevista à revista Claudia, na edição de setembro, Luiza Brunet falou abertamente sobre a violência física da qual foi vítima cometida pelo ex-companheiro, o empresário Lírio Parisotto.

A atriz e ex-modelo conta que teve medo de denunciá-lo e recebeu conselhos para manter a história em sigilo. Mas ela resolveu encarar o crime cometido e transformar a sua dor em mais uma ferramenta de combate à violência doméstica.

“É duro criar coragem e pôr um ponto final. A gente tem que dar um basta à situação. Maridos e namorados matam 13 mulheres todos os dias. As pessoas não conhecem a Lei Maria da Penha. Vou dar palestras, participar de grupos, alertar as mulheres para que sejam corajosas e coerentes."

Brunet já tinha um relacionamento estável com Parisotto há cinco anos. Ela contou que uma das partes mais difíceis da denúncia foi ter que contar a verdade sobre o ex-companheiro para os seus filhos, Yasmin, 25, e Antonio, 17.

“Meus filhos gostavam dele. Expliquei que decidira partir para a denúncia. Yasmin ficou um pouco insegura; Antonio, decepcionado. Depois, transtornado. Ele se perturbou com a ideia de a mãe ter sido agredida por um homem – fosse ele quem fosse. Contei porque meus filhos tinham o direito de saber e para prepará-los. Não queria que fossem surpreendidos pela mídia. Eles se acalmaram e logo me apoiaram."

A revelação da violência foi feita pela ex-modelo em julho à coluna de Ancelmo Gois, do jornal O Globo. Ela afirmou ter sido espancada pelo empresário na madrugada do dia 21 de maio, durante uma viagem do casal à Nova York.

"Foi um motivo bobo. Jantávamos em um restaurante com amigos. Uma das pessoas comentou algo, ele não gostou e se manifestou. Não concordei com ele. Ele alterou a voz, passou a falar coisas desagradáveis [...] Depois da agressão, eu me tranquei em um quarto. Passei a noite fumando, sem dormir. Assim que notei tudo quieto fui embora. Estava tudo acabado. O amor morreu ali", contou à Claudia.

O resultado da agressão foram costelas quebradas, lesões na perna, hematomas nos olhos e a psique muito abalada. De volta ao Brasil, Brunet foi ao Ministério Público Estadual de São Paulo (MP-SP) e entregou fotos que provavam a denúncia: "Só quem vive isso sabe do pavor e dos sentimentos conflitantes que tomam conta da gente."

brunet agressão

"Mesmo tendo um certo medo, eu não baixaria a guarda. Medo do agressor se tornar mais violento. Medo de me expor com a autoestima ferida [...] As pessoas se espantaram com o fato de eu ter sido agredida e não esconder. Eu fiquei bastante tempo mal. Mas ir trabalhar com o olho roxo, detonada no sentido psicológico, não me envergonhou. A gente tem que dar um basta nessa situação."

Parisotto, que afirma ter apenas se defendido de agressões iniciadas por Luiza, pode ser preso se tentar se aproximar da ex-companheira. A alegação do empresário era a de que a ex-mulher era "descontrolada".

"Essa é a defesa de todo agressor. Ele torna a vítima em culpada."

Na entrevista, Luiza Brunet escancara sua dor, as consequências materiais e psicológicas e conta como está fazendo para retomar a rotina. Mas talvez o maior ensinamento que a ex-atriz possa compartilhar é de que violência contra a mulher e o machismo precisam ser discutidos e combatidos em qualquer classe social.

LEIA MAIS:

- Maria da Penha: 'Meu sofrimento se transformou em luta'

- Brasil ainda tem mais de dez mulheres mortas por dia

- Luiza Brunet sobre agressão: 'Tive medo e vergonha de denunciar'

- Após agressões, ex de Luiza Brunet está proibido de se aproximar dela, diz MP

Também no HuffPost Brasil

Close
Frases inspiradoras de famosas sobre o feminismo
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção