Huffpost Brazil

Neste final de semana, evento terá 48 horas de cultura feminista em São Paulo

Publicado: Atualizado:
VIRADA FEMINISTA
REPRODUÇÃO
Imprimir

Acolhimento, diálogos, abraços e atividades culturais em homenagem às mulheres durante um final de semana inteiro na cidade de São Paulo.

Esta é a proposta da Virada Feminista 2016, evento aberto organizado pela Sempreviva Organização Feminista (SOF) e da Marcha Mundial das Mulheres, que vai ocupar durante 48 horas o Centro Cultural da Juventude entre os dias 3 e 4 de setembro. Na programação, atividades de dança, cinema, teatro, literatura, internet livre, fotografia, zine, agroecologia, grafite e culinária já estão confirmadas.

A Virada é resultado do esforço de dezenas de pessoas que apoiaram a causa em um financiamento coletivo na plataforma Catarse. A meta era alcançar o valor de 25 mil reais para o evento e foi superada.

A partir da frase A resistência que transforma, a programação do final de semana se baseia em três temas: corpo, cidade e luta.

"A temática do evento aborda o corpo e a cidade como territórios onde essa resistência se concretiza através da luta feminista. No mundo em que vivemos, estar no espaço público pode significar, para as mulheres, possibilidades de serem deslegitimadas, desrespeitadas, assediadas e violentadas. Ao mesmo tempo, ocupar este espaço é uma das mais fortes demonstrações de resistência. Nas ruas, praças, palcos e palanques, as mulheres, inconformadas e persistentes, revelam-se protagonistas da transformação de suas próprias vidas e do mundo", explica a descrição do evento no Facebook.

O Centro Cultural da Juventude também vai abrigar um acampamento comunitário para receber quem vem de longe e quem quer participar em tempo integral da Virada. Entre as atividadesvai acontecer workshop de documentário, oficina de crochê, | oficina de escrita erótica, oficina de linguagem corporal, roda de conversa sobre economia solidária e feminista no campo e na cidade e até show da MC Soffia.

A programação completa pode ser consultada aqui.

LEIA MAIS:

- Virada Feminista cria financiamento coletivo para promover 24 horas de música, dança e resistência feminina

- 'Todas podemos um dia passar por isso. Não, não dói o útero e sim a alma', diz vítima de estupro coletivo

- A violação de direitos 'mais tolerada no mundo' é o estupro

Também no HuffPost Brasil

Close
Por que o feminismo é importante
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção