Huffpost Brazil

O desabafo de uma mãe que foi julgada após seus filhos fazerem ‘birra' em supermercado

Publicado: Atualizado:
ME
Reprodução/Facebook
Imprimir

"Isso é maternidade. Sem filtros coloridos, sem boa iluminação, sem batom novo."

Foi assim que a jovem mãe Aly Brothers começou um desabafo que tocou usuários de todo o mundo nos últimos dias. Depois de um dia difícil com os filhos, acabou fazendo um "textão" no Facebook mandando a real sobre a dificuldade de ser mãe e ser julgada por estranhos ao não conseguir controlá-los em um supermercado.

Aly foi fazer compras com os filhos Bentley, de 3 anos, e Levi, com 1 ano e 8 meses, até que eles começaram a chorar e a debater o corpo no chão do supermercado, um comportamento que costuma ser chamado de 'birra'.

Ela estava sozinha e em vez de receber ajuda ou olhares solidários, ela recebeu apenas julgamentos e decidiu escrever sobre a tarefa dura de ser mãe -- e de ser constantemente cobrada e julgada por estranhos, em qualquer lugar.

"Sem filtros, sem boa iluminação, sem batom novo. É cabelo bagunçado molhado de chuva, maquiagem de ontem porque eu estava muito cansada para tirar e lágrimas. Maternidade é difícil. Ser mãe solteira é difícil", escreveu Aly, com uma foto no momento do desabafo.

"Essas lágrimas começaram no caixa do Giant Eagle quando peguei o recibo e continuaram por todo o caminho de volta para casa. Lágrimas que foram passadas para o meu filho mais velho sentado no banco de trás porque ele não gosta de ver sua mãe chorando. A gente sabe o quanto os meninos amam suas mães."

Ela continua o relato dizendo que foi comprar leite e achocolatado quando seus filhos começaram a fazer birra durante as compras.

"Meu caçula chorava quase o tempo todo que a gente estava dentro da loja. Ele não queria ficar sentado no carrinho, não queria usar o cinto e queria segurar todas as compras no colo. Ele ficou furioso. Jogou seu sapato, minha carteira e todos os itens que cabiam no seu colo. E ele chorou. E as pessoas encararam. Estava tudo bem, eu consegui lidar com aquilo. Meu menino de três anos queria ser o Super-Homem e ficou em pé no carrinho. Tudo bem. Eu falei para ele se segurar. Ele não se segurou. Ele caiu, se inclinou para trás e bateu nas coisas que estavam nas prateleiras. Ele se inclinou para trás e esbarrou em um estranho. Então eu o fiz descer e andar, e ele andava bem à minha frente abrindo todas as portas da seção de congelados me dizendo todas as coisas que ele queria. Eu tentei controlar aquilo. Eu parei várias vezes para recompor a mim e as crianças."

Ela conta que tudo piorou quando chegou no caixa. Prestes a pagar as compras, os meninos continuaram com as birras típicas da idade e os julgamentos e olhares só a deixaram mais deprimida.

"Eles não me conhecem como mãe. Eles não conhecem meus filhos. Eles não sabem que eu era casada quando formei minha família. Eles não sabem que eu deixei um relacionamento abusivo sabendo que seria ainda mais difícil ser mãe solteira. É difícil. Os olhares e os cochichos de julgamento são duros. Às vezes eu consigo controlar minhas crianças e às vezes não. Às vezes eles me escutam e às vezes não. Às vezes eu consigo me controlar e às vezes me entrego."

Ao receber o recibo da caixa, Aly não aguentou e começou a chorar lá mesmo. Ela terminou seu tocante relato com um apelo: menos julgamento, mais compreensão e solidariedade.

"Eu sei que esses dias vão passar, que as lágrimas vão parar, que as brigam vão terminar e que meus filhos vão crescer. E eu sei que isso vai ser difícil também. Então, se você vir pais enfrentando uma situação difícil, se você vir uma criança fazendo birra, se você vir uma mãe à beira do choro… Por favor, diga alguma coisa boa. Por favor, não olhe julgando. E para todas as mães que estão tendo um dia como o meu… Eu vejo vocês, eu compreendo vocês, eu amo vocês. Vocês são fortes e estão se saindo muito bem"."

A postagem de Aly, feita em 21 de agosto, teve mais de 19 mil compartilhamentos, 6 mil comentários e quase 60 mil curtidas de pessoas que se identificaram e se solidarizaram com a situação vivida pela mãe.

LEIA MAIS:

- 'A beleza não tem idade. A fertilidade sim': Itália erra feio em campanha de natalidade

- 41 tuítes que descrevem perfeitamente como é criar filhos

Também no HuffPost Brasil

Close
A beleza das crianças com síndrome de Down
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção