Huffpost Brazil

Sem mandato presidencial, Dilma deixa o Alvorada e vai morar em Tristeza, em Porto Alegre

Publicado: Atualizado:
DILMA ROUSSEFF
Roberto Stucker / PR
Imprimir

A ex-presidente Dilma Rousseff deixou neesta terça-feira (6) o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, onde morava desde janeiro de 2011, para Tristeza, bairro nobre da zona sul de Porto Alegre (RS). A filha, Paula, e os netos moram na cidade.

Ao deixar o Alvorada, cerca de mil manifestantes, segundo a organização, cumprimentaram a petista, jogaram flores e gritaram "Dilma guerreira do povo brasileiro".

Alguns ex-ministros, como Jaques Wagner (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União), acompanharam a petista até a base área, de onde seguiu para a capital gaúcha em um avião da Força Aérea Brasileira.

Responsável pela defesa de Dilma durante o impeachment, Cardozo definiu o momento como "muito triste". "Nenhum governo que toma posse de forma ilegítima pode tirar o Brasil da crise. Precisamos de democracia, democracia e democracia. Vamos tentar fazer com que Dilma volte", afirmou ao G1.

Em 31 de agosto o Senado cassou, por 61 votos a 20, o mandato da petista sob acusação de crime de responsabilidade. Ela foi condenada pela edição de decretos suplementares sem a autorização do Congresso e pelas pedaladas fiscais no Plano Safra.

Em vídeos publicados pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), Dilma, já na base aérea, brinca com assessores e ex-ministros. "Ô, Bê, chora Bê. Ninguém chora nessa coisa. Esse não chora [e aponta para Cardozo], e esse, que é chorão, não chora", diz, aos risos, em referência a seu assessor Jorge Messias, que ficou conhecido como "Bessias" por ter seu nome divulgados dessa maneira em áudio vazado pela Polícia Federal.

Além da moradia em Porto Alegre, a ex-presidente irá passar um tempo no Rio, onde a mãe, Dilma Jane, de 93 anos, tem um apartamento em Ipanema.

LEIA TAMBÉM

- 'Nova eleição é impossível', diz Luciana Genro sobre posição tardia do PT

- Por que o impeachment de Dilma pode ser anulado e nova votação pode ocorrer no Senado

- Senado abre consulta pública sobre novas eleições e 92% apoia proposta

Também no HuffPost Brasil

Close
Movimentos sociais se despedem do governo Dilma Rousseff
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção