Huffpost Brazil

'Inaceitável': Brasil repudia maior teste nuclear já feito pela Coreia do Norte

Publicado: Atualizado:
COREIA DO NORTE
Kim Ju-sung/Yonhap via REUTERS
Imprimir

O Itamaraty condenou o novo teste nuclear feito nesta sexta-feira (9) pela Coreia do Norte, considerado o maior de sua história por alguns países. Por meio de nota, o governo brasileiro disse que “repudia veementemente” o teste e considerou “inaceitável” o fato de arsenais atômicos continuarem desempenhando papel importante em doutrinas militares.

A informação sobre a realização dos testes foi confirmada em Pyongyang, a capital norte-coreana, após terem sido registrados tremores de magnitude 4,8 a 5,3 na península da Coreia. Em edição especial, a televisão Central da Coreia do Norte informou que o país vai continuar a desenvolver o programa nuclear.

De acordo com o ministério das Relações Exteriores, o Brasil apoia as críticas do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre os recentes lançamentos de mísseis balísticos promovidos por Pyongyang.

“Como firme defensor de um mundo livre de armas de destruição em massa, o Brasil reprova atitudes que violem as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas e aumentem a tensão na Península Coreana”, disse o Itamaraty, em nota.

“A falsa noção de que tais armas aumentam a segurança de um país mina o regime internacional de desarmamento e não proliferação nuclear, além de enfraquecer a credibilidade do Tratado de Não Proliferação Nuclear e prejudicar os esforços para a entrada em vigor do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares”, disse ainda o governo brasileiro.

(Com informações da agência Sputnik)

LEIA TAMBÉM:

- Coreia do Norte faz novo teste nuclear, considerado o maior da sua história

- Trump conquista apoio internacional... da Coreia do Norte

- Será mesmo? Líder da Coreia do Norte diz que vai limitar atividade nuclear

Mais no HuffPost Brasil:

Close
10 fatos absurdos da Coreia do Norte de Kim Jong-un
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção