Huffpost Brazil

#PrecisamosFalarSobreAborto: Coletivos feministas vão promover 24h de discussão sobre o tema

Publicado: Atualizado:
ABORTO
Reprodução/Midia Ninja
Imprimir

Dia 28 de setembro é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização do Aborto e será mais um 28 de setembro em que milhares de mulheres continuam sendo vítimas da clandestinidade, da ameaça, do medo e dos processos inseguros para exercer autonomia sobre seus corpos.

Diante desse contexto, organizações feministas vão promover um dia inteiro de discussão sobre o aborto na internet na próxima quarta-feira (28). Serão 24 horas de entrevistas, transmissões ao vivo no facebook e divulgação de informações e textos programadas pela ONG Think Olga, os grupos Gorda&Sapatão e Ativismo de Sofá, além do site Justificando.

Estão confirmadas as páginas Nó de oito, Lugar de Mulher, Clandestinas, Maternativa, Canal das Bee e Para Beatriz. Além disso, perfis pessoais de militantes como Stephanie Ribeiro, Clara Averbuck e Amelinha Teles vão ser referências do debate.

A secretária-adjunta de direitos humanos da prefeitura de São Paulo Djamila Ribeiro também vai participar da virada a favor da descriminalização. Ainda, a pesquisadora Débora Diniz, a obstetra Dra Melania Amorim, Joanna Maranhão, Thalma de Freitas e Karina Buhr são outros nomes que vão acrescentar ao debate.

"Somo clandestinas, estamos em marcha, seremos livres". O lema da Primavera pelo Direito ao Corpo e a Vida das Mulheres, de 2015, continua vivo.

Desde 1940, o Código Penal brasileiro regulamenta o aborto como crime, apenas permitido em casos de estupro, anencefalia e risco de vida da mulher. Porém, o fato de ser ilegal não impede o procedimento. O aborto é uma realidade e é um caso de saúde pública - mais de 1 milhão de mulheres se submetem ao procedimento todos os anos, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em vias de eleições municipais, o tema ainda permanece como tabu nas discussões políticas. Quando é colocado em pauta ocorre o oposto do que é defendido pelo movimento feminista: propostas e projetos de leis apresentados se tornam obstáculos para as conquistas dos direitos das mulheres.

LEIA MAIS:

- Em nome de Deus

- Deputado quer PEC da Vida para acabar com chances de legalizar e descriminalizar o aborto

Também no HuffPost Brasil

Close
Histórias contra o estigma do aborto
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção