Huffpost Brazil

Destaque em 'Supermax', Maria Clara Spinelli quer se distanciar do rótulo de 'atriz transexual'

Publicado: Atualizado:
MARIA CLARA
Reprodução/Instagram
Imprimir

Premiada no cinema e no teatro, Maria Clara Spinelli vive um dos melhores momentos de sua carreira na TV. Depois de integrar o elenco da novela Salve Jorge (2013), a atriz vive Janette, personagem de destaque em Supermax - série de terror que estreou este mês na Globo.

Na trama, Janette tem um passado marcado por privações na companhia do alcoólatra violento que não a aceitava. Tanto a personagem quanto Maria Clara são transexuais.

Em entrevista ao UOL, a atriz ressaltou a importância social de Janette e falou sobre as características comuns entre as duas: mulheres que representam uma minoria estigmatizada e discriminada na sociedade.

“Eu, Maria Clara, sofro sim discriminação também profissional e artística para conseguir papéis. E eu entendo, isso é um assunto novo. E eu não tenho nenhum problema em falar sobre isso, porque, sem nenhuma pretensão, também estou aqui para educar. Existe um estereótipo em cima das pessoas que nasceram transexuais e eu acho que se puder de alguma forma trazer luz para esse assunto é um grande prazer.”

Ao jornal Extra, a atriz revelou que o fato de ser transexual ainda a impedi de conseguir papeis. E por isso, ela tenta de se distanciar em sua carreira do rótulo de “atriz transexual”:

“Taís Araújo, por exemplo, é uma atriz, não é uma atriz negra. Existe um conceito negativo por causa da minha história de vida.”

Tuíte da autora Glória Perez publicado por Maria Clara em seu Instagram

Em tempos de discussões e avanços na representatividade de pessoas transgênero na mídia dentro e fora do Brasil, Maria Clara tem uma visão crítica sobre o atual cenário.

Na cerimônia de premiação do Emmy deste ano, o ator Jeffrey Tambor, ganhador na categoria ator de série dramática por seu papel na série Transparent, foi aplaudido em seu discurso de agradecimento ao afirmar que ficaria feliz de ser o último homem cisgênero a interpretar uma personagem trans na TV.

Sobre a afirmação de Tambor, a atriz disse achar nobre um ator premiado como ele chamar atenção para a questão do preconceito que impede que atores e atrizes trans consigam bons papeis, mas pontuou:

“Quero fazer grandes personagens, e elas podem ser transgêneros ou não. A representatividade tem que ter também portas abertas para nós trabalharmos em qualquer papel. Assim como para atores como o Jeffrey e a Felicity Huffman, que fez brilhantemente 'Transamérica', façam também transgêneros. Se você rotula, só atores cisgêneros podem fazer personagens cisgêneros.”

Apesar preconceito sofrido ao longo de seus 15 anos de carreira, Maria Clara vê com otimismo o futuro de artistas trans no Brasil.

"O Brasil ainda estava um pouquinho atrasado nesse sentido, porque nós temos Laverne Cox em Orange is The New Black, Jamie Clayton fazendo Sense8. Acho que o mercado está ficando mais aberto para isso, a tendência é o preconceito diminuir. A tendência da sociedade é a evolução.”

LEIA MAIS:

- #MinhaPrimeiraTransfobia: Transexuais relatam primeiros casos de preconceito

- 'Ela viveu a sua verdade': Despedida de Patricia Arquette da sua irmã transgênero é ode à tolerância

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
6 famosos que têm filhos transgênero
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção