Huffpost Brazil

Black Monday: Milhões de mulheres fazem greve na Polônia contra proibição ao aborto

Publicado: Atualizado:
POLAND
Kacper Pempel / Reuters
Imprimir

Cerca de seis milhões de pessoas devem aderir a uma greve geral na Polônia em protesto ao plano de proibir definitivamente as mulheres polonesas de fazerem abortos.

De acordo com a Deutsche Welle, milhares de mulheres vestiram preto - para representar o luto pela perda de direitos reprodutivos - e gritaram palavras de ordem, afirmando que querem médicos, "não missionários".

Segundo o jornal britânico Guardian, a nova lei torna crime todos os tipos de aborto, e prevê até cinco anos de prisão para as mulheres que abortarem. Os médicos envolvidos nos procedimento também podem ser processados.

A igreja católica, que exerce forte influência na sociedade polonesa, já aprovou a iniciativa, que sugere que apenas as gestações que representam risco à saúde da mãe possam ser interrompidas.

Se aprovada, a lei a Polônia se torna tão restritiva quanto as de Malta do o Vaticano em relação ao aborto. Atualmente, o procedimento já é proibido em muitos casos, e pode ser feito apenas quando a vida da mulher está em risco, há um risco de dano sério ou irreversível para o feto ou ainda quando a gravidez é fruto de estupro ou incesto - o crime, no entanto, deve ser confirmado por um promotor.

De acordo com a BBC, críticos da nova lei - que foi submetida ao Parlamento após ser assinada por mais de 100 mil pessoas - pode fazer com que mulheres que tenham abortado naturalmente sejam investigadas por conta de suspeitas de que tenham provocado o aborto deliberadamente.

Também no HuffPost Brasil

Close
Histórias contra o estigma do aborto
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção