Huffpost Brazil

Relator dá aval a processo contra Bolsonaro por 'apologia à tortura'

Publicado: Atualizado:
BOLSONARO
Agência Brasil
Imprimir

O relator da representação do Partido Verde (PV) contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) no Conselho de Ética, deputado Odorico Monteiro (Pros-CE), votou em favor do colegiado aceitar dar prosseguimento ao processo de quebra de decoro parlamentar. Bolsando é acusado de fazer “apologia ao crime de tortura”.

Na votação pela admissibilidade do impeachment da então presidente Dilma Rousseff, Bolsonaro fez uma homenagem ao coronel Carlos Brilhante Ustra.

“Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff’’, afirmou, ao declarar o voto, em abril.

O coronel foi o primeiro militar brasileiro a responder por um processo de tortura na ditadura. Entre as vítimas dele está a ex-presidente Dilma. Ustra chefiou o DOI-Codi do II Exército, em São Paulo, órgão de repressão política durante a ditadura militar.

Para o relator, Bolsonaro abusou da prerrogativa de parlamentar.

"A manifestação parlamentar não se prestou para fundamentar o voto pela admissibilidade do impeachment, mas para enaltecer uma pessoa que teria causado 'pavor', convenhamos, não apenas à presidente, mas, supostamente, a outras pessoas, de diversas orientações políticas, como se percebeu da vultosa reação social”, afirmou, segundo O Globo.

De acordo com a Agência Câmara, Bolsonaro afirmou que "Ustra não foi torturador e que não está preocupado com a representação, porque a Constituição determina que os parlamentares são invioláveis por suas opiniões, palavras e votos”.

"Não estou nem um pouco preocupado. Da tribuna da Câmara posso falar as palavras que eu bem entender. O relator era petista e vai continuar petista”, disse, segundo O Globo.

LEIA TAMBÉM:

- Por causa de cuspe em Bolsonaro, Jean Wyllys vira alvo do Conselho de Ética

- 'Viva Ustra': Deputado Eduardo Bolsonaro comemora impeachment de Dilma Rousseff agradecendo torturador dela

- 'Testado para 2018': Bolsonaro comemora resultado dos filhos nas urnas

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Bolsonaro não leu a Declaração Universal de Direitos Humanos
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção