Huffpost Brazil

Este pai fez um lindo desabafo ao descobrir a solidão de seu filho autista

Publicado: Atualizado:
Imprimir

bob cornelius

Ninguém.

Essa foi a resposta de um garotinho quando questionado, na escola, sobre quem seriam seus melhores amigos.

Christopher tem 11 anos e é autista. De acordo com a sua resposta, ele nunca teve amigos. Seu pai, Bob Cornellius, teve acesso à atividade do garoto produzida em sala de aula. Ler que seu filho simplesmente não tinha com quem se divertir partiu seu coração.

Mas não que ele não soubesse disso. Em um relato emocionante no Facebook, Cornellius compartilhou sobre a sensação maravilhosa que é conviver com uma criança do espectro autista, mas que também lida com muito preconceito e solidão. Depois de ver o que o filho respondeu na escola, ele se lembrou de quando o garoto expressou o desejo de ter uma festinha em casa.

"'Posso ter festa do pijama?'" Christopher me pediu.

'Claro, amigo .... com quem?' Como resposta, ele batia os braços em vez de responder. Não por não ter uma resposta, mas porque ele não tinha um nome.

Porque ele não tinha um amigo.

Ele nunca teve um amigo 'real'.

Nunca.

Ele acabou de fazer 11 anos. E porque ele não tinha amigos, não havia ninguém para convidar. E eu não tenho uma solução. Eu não tenho uma resposta. A realidade é que eu preciso contar com a compaixão dos outros para que sejam incrivelmente compreensíveis, sentem ao lado dele, envolvam ele em atividades e façam ele se sentir incluído."

O pai argumentou que as outras crianças, os pais e os educadores simplesmente não estão preparados para incluir jovens como Christopher.

"Não é culpa deles .... essa é a parte mais triste. Eles claramente não foram ensinados a abraçar e aceitar as diferenças dos outros. Não apenas por seus professores, o que teria sido bom, se tivessem pensado em fazê-lo, mas também por seus pais. Eu não quero dizer que os pais que não têm esse tipo de diálogo com os seus filhos são pessoas más, mas apenas que em algum lugar entre o trabalho, a prática de futebol e a lição de casa, nunca ocorreu a eles parar e ter essa conversa particular. Tenho certeza de que, se Christopher fosse típico (que é a palavra que usamos em vez de "normal" em nosso mundo para as nossas crianças com atraso de desenvolvimento), eu não teria tido essa conversa com ele também."

Mas desde que a história viralizou nas redes, Cristopher e seu pai foram surpreendidos por gestos de solidariedade vindos do mundo inteiro. São pessoas que se sensibilizaram com a história do garoto e que se identificaram por já terem se sentido um outsider, em qualquer que seja a situação vivida.

Em outro post no Facebook, Bob Cornellius agradece a enxurrada de carinho que sua família tem recebido e fez um pedido:

"Há Christophers em todo o mundo. E eles não vão estar recebendo milhares de cartas e pacotes como nós. Se eu soubesse quem eles eram, gostaria de transmitir a cada um deles uma dessas cartas maravilhosamente apoio que temos recebido."

E continuou:

"Eles merecem reconhecimento. Eles precisam de amor, de apoio e da compaixão que todos somos capazes de dar. Procure o Christopher que está em suas vidas e que você pode não ter percebido. Porque ele ou ela está lá fora. Ele pode ser alguém com 29 anos de idade com Asperger ou um de 82 anos com demência. Mas Christopher está em sua vida de alguma forma, em algum lugar. Já foram mais do que gentis com meu Christopher. Meu desejo é que você seja gentil com o seu."

LEIA MAIS:

- Para uma criança autista, um passeio no shopping center pode ser desesperador (VÍDEO)

- Como os estereótipos impedem que mulheres com autismo revelem seu verdadeiro eu

- O que pessoas com autismo e suas famílias querem que você saiba

Também no HuffPost Brasil

Close
Fotógrafo retrata universo do filho autista
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção