Huffpost Brazil

Doria vai eliminar ciclovias que 'não são usadas' e não criará novos trechos

Publicado: Atualizado:
DORIA E CICLOVIA
Montagem/Getty Image
Imprimir

Três dias após vencer a disputa pela Prefeitura da cidade de São Paulo, o empresário João Doria (PSBD) reafirmou que vai revogar a redução da velocidade nas marginais Pinheiro e Tietê e que não vai dar continuidade à ampliação das ciclovias, além de eliminar parte delas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

As ciclovias só serão preservadas onde, segundo o empresário, "funcionam bem, onde têm movimento". "Não serão continuadas em calçadas nem onde não são utilizadas", disse ao jornal.

O novo prefeito explica que será feito um estudo para avaliar quais têm movimento e quais não têm. As que continuarem funcionando serão destinadas à iniciativa privada.

"Já as ciclovias que foram assimiladas pela população vão continuar e serão mantidas pela iniciativa privada porque a prefeitura faz mal hoje essa conservação. Vamos escolher uma área e permitir ali a publicidade. As empresas interessadas poderão adotá-las por um ano ou mais."

Doria também não pretende ampliar a rede. "Só se houver uma necessidade real e comprovadas. Apenas para cumprir meta, não."

As propostas do empresário em relação às ciclovias vão na contramão do resultado (parcial) de uma das questões da enquete que Doria disponibilizou em seu site. A enquete pergunta à população uma série de questões sobre a gestão anterior, de Fernando Haddad (PT), como o destino do Minhocão e wi-fi nas praças da cidade.

Uma delas questiona o que deve ser feito com as ciclovias: continuar e ampliar, avaliar alguns trechos ou manter como está e não fazer mais. Com 64% dos votos, a opção "Manter como está e ampliar" é a mais votada.

ciclovias

Maioria aprova ciclovias

A última pesquisa sobre a adoção das ciclovias, realizada pelo Ibope em junho deste ano, mostra que a maioria dos paulistanos aprova as vias exclusivas para bikes.

A implantação das ciclovias e ciclofaixas foi aprovada por 51% dos entrevistados e desaprovada por 44%. Pessoas que não opinaram somaram 5%.

Sobre o impacto destas vias na cidade, 47% disseram que não afetou seu deslocamento. Para 21%, a implantação delas piorou muito sua mobilidade em SP. Já 10% disseram que piorou um pouco, 9% que melhorou muito e 9% que melhorou um pouco. Cerca de 3% não souberam responder.

LEIA MAIS:

- Um dia após eleição, Doria já não garante congelar passagens de ônibus

- Mortes no trânsito caem 3 vezes mais na cidade de São Paulo em relação ao Estado, aponta pesquisa