Huffpost Brazil

Mãe desabafa sobre racismo sofrido por filha: 'Corta a minha alma'

Publicado: Atualizado:
SANDRI S
Sandri Sá compartilha dor da filha no Facebook | Reprodução/Facebook
Imprimir

Há aqueles que acreditam que o racismo no Brasil já foi superado.

Mas são histórias como esta que nos fazem lembrar - e com um tapa na cara - que o racismo existe não só nas estruturas do Estado, na falta de representatividade, na violência seletiva, mas também nos detalhes e na cultura do brasileiro.

Sandri Sá é mãe de uma garotinha de cinco anos. Na última quarta-feira (6), a criança chegou aos prantos em casa porque Júlia, sua amiga, não gostava do "cabelo para cima" que ela usava.

No mesmo dia, Sandri fez um post no Facebook filmando a garota. No vídeo, ela reforçava em cada frase: "O seu cabelo é lindo. Você é linda."

A angústia da menina logo foi diminuindo ao ouvir as palavras da mãe. No final, ela enxugou as lágrimas e parece ter compreendido que ninguém, nem mesmo uma amiguinha, pode desvalorizar quem ela é.

Além do vídeo, a mulher escreveu um texto emocionante sobre ser negra e ter que lidar com o racismo todos os dias.

"Um pouco da experiência de ser preta e ter filhos pretos que, por mais que falamos, exaltamos a autoestima deles, tem horas que eles simplesmente desabam e isso corta a minha alma. Estou com meus olhos cheios de lágrimas de ver e ouvir o sofrimento da minha filha. Eu tenho que me manter forte para protegê-los de uma sociedade preconceituosa em que uma criança de 5 anos chora por ser preta e sua mãe a ensina a se aceitar. A Júlia não tem culpa, talvez seja o que ouve ou aprende. Por favor, não deixem que seus filhos sejam esse tipo de criança que não respeita a raça e mais tarde não vão respeitar o homossexual, espírita, evangélico, preto e assim por diante".

LEIA MAIS:

- 'A Seat at the Table': Com discurso sobre questões raciais, novo álbum de Solange estreia no topo da parada americana

- Atrizes e atores negros da TV ganham menos que colegas brancos

Também no HuffPost Brasil

Close
#MarchadasMulheresNegras
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção