Huffpost Brazil

'Canal das Bee' lança crowdfunding para dar acolhimento psicológico a adolescentes

Publicado: Atualizado:
CANAL DAS BEE
Reprodução
Imprimir

Atendimento psicológico é coisa séria e tem muita gente precisando desse tipo de assistência, independentemente da orientação sexual. Só que, infelizmente, na sociedade em que a gente vive, os LGBTs têm mais tendência ao suicídio do que pessoas heterossexuais, segundo várias pesquisas, como as realizadas pela Universidade de Columbia (EUA), pela Universidade Federal de Alagoas e pelo jornalista do New York Times, John Schwartz - só para citar alguns exemplos.

Pensando nisso, e frente à enxurrada de mensagens que recebe diariamente, o Canal das Bee começou a desenvolver um trabalho de acolhimento voluntário a jovens LGBT. Para quem não conhece o trabalho das Bee, esse é o mais antigo canal LGBT do Brasil ainda em atividade no YouTube. Com mais de 280 inscritos e contabilizando quase 25 milhões de visualizações em seus vídeos, o alcance das Bee é grande e receber pedidos de socorro se tornou algo frequente na vida da galera do canal.

canal das bee

Segundo a criadora do vlog, Jéssica Tauane, mais 2.000 pessoas já foram acolhidas pela equipe! Os números são: 230 pessoas com crise de identidade; 137 pessoas que sofreram agressão, abuso ou assédio; 162 pessoas com problemas sérios com a família; 114 pessoas com problemas em relacionamentos amorosos; 46 pessoas com problemas de violência doméstica, o que engloba casos de cárcere privado; 229 pessoas em depressão ou com grande iminência de suicídio e 321 pessoas com dúvidas gerais sobre elas e sobre o mundo.

"Recebemos pedidos de ajuda de todos os tipos: desde problemas para lidar com a própria identidade ou com a família até assédio, agressões e tentativa de suicídio. A maioria desses casos são de violência doméstica. Quando uma pessoa é agredida dentro de casa, a gente só sabe quando ela mesma fala, pede ajuda ou procura algum serviço público. Como o Estado não é nada preparado para lidar com esse tipo de caso, geralmente a pessoa sofre em silêncio. É aí que entra o Canal das Bee - com a gente, a pessoa desabafa, pode falar sobre o que está acontecendo e ter um acolhimento digno", diz Jéssica.

Até então, essa assistência era realizada pelas Bee com o apoio de uma psicóloga voluntária, mas notou-se uma necessidade de ampliar o projeto. Agora, o chamado Bee Ajuda busca meios de conseguir pagar um profissional para se dedicar a fundo no trabalho de acolhimento. A causa é nobre e você pode saber mais detalhes através do vídeo abaixo e de outros seis disponíveis nesse link AQUI.

Jéssica também explica que a grande maioria dos pedidos de ajuda são enviados por adolescentes, mas garante que pessoas de todas as idades são bem vindas a entrar em contato. E como vai funcionar o esquema de acolhimento na prática? "O psicólogo não vai fazer terapia ou sessão terapêutica, a ideia não é essa. Ele vai fazer uma espécie de triagem com o que receber. Em alguns casos, a pessoa só precisa realmente de uma conversa, de um ombro amigo, de alguém que mostre que está tudo bem com ela e lhe dê conforto para seguir com a vida. Em outros, ele encaminhará a pessoa para o serviço local específico, seja algum serviço de psicologia do município, seja em contato com coletivos LGBTs ou psicólogos voluntários". A previsão é de que mais de 9 mil acolhimentos sejam realizados durante 2017.

A meta da campanha de financiamento coletivo é arrecadar 80 mil reais e, até o fechamento dessa matéria, 38% do valor já havia sido arrecadado. "Chegamos a essa porcentagem com muito suor! A gente achou que estaria 'melhor', mas é realmente difícil fazer financiamento coletivo. Segundo o gráfico do site [benfeitoria.com], estamos abaixo do esperado. Mas sabemos que temos uma grande rede de apoio, então pedimos diariamente que as pessoas doem e compartilhem o máximo possível", conta Jéssica. A vaquinha fica no ar até 13 de novembro e é possível contribuir com valores a partir de R$ 10. O link para contribuir é esse AQUI.

Além de tocar o Bee Ajuda, parte da arrecadação também será destinada a filmagem de um curta-metragem que aborda a vivência lésbica. Esse projeto paralelo é explicado nesse vídeo:

O Canal das Bee está no ar desde 2012 e já conta com mais de 330 vídeos publicados. O intuito do vlog é levar conhecimento sobre a realidade LGBT, dar mais visibilidade à causa e descontruir preconceitos. Vale a pena conhecer esse trabalho e ajudar a galera a tornar o Bee Ajuda uma realidade!

LEIA MAIS:

- Casa de Oscar Wilde em Londres vira símbolo para homenagear personalidades gays

- 'Love Is Love': Quadrinho homenageia vítimas e sobreviventes do massacre em Orlando

Também no HuffPost Brasil

Close
10 momentos históricos da luta LGBT
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção