Huffpost Brazil

Contra a PEC 241 e a reforma do Ensino Médio, estudantes do Paraná ocupam 210 escolas e professores declaram greve

Publicado: Atualizado:
PARAN
Divulgação/Upes
Imprimir

O número de escolas ocupadas no Paraná já chegou a 210 instituições em 49 municípios do Estado. O movimento foi convocado pelos estudantes secundaristas, que protestam contra as medidas do governo federal, que limitam os gastos para a Educação com a PEC 241 - aprovada em primeiro turno na Câmara -, além da reforma do Ensino Médio, que prevê a retirada de disciplinas dos currículos escolares.

Nesta quarta-feira (12), os professores decidiram apoiar o movimento dos estudantes e declararam estado de greve, que deve iniciar na próxima segunda-feira. A decisão da greve é uma resposta dos professores ao governador Beto Richa (PSDB) da proposta de suspender por tempo indeterminado o reajuste salarial a todo o funcionalismo público estadual.

O Executivo só quer corrigir os salários depois que todas as promoções e progressões sejam implantadas pelo governo. O problema é que no ano passado, Richa se comprometeu a pagar integralmente a inflação de 2016 aos servidores e mais 1%, em 2017.

A decisão pela greve é uma resposta à proposta do governador Beto Richa (PSDB) de suspender por tempo indeterminado o reajuste de todo o funcionalismo público estadual. Conforme o Executivo, a data-base deve ser quitada depois que todas as promoções e progressões devidas sejam implantadas e pagas no estado. No ano passado, Richa já havia se comprometido a pagar integralmente a inflação de 2016 aos servidores, acrescida de 1%, em 2017.

Por meio da assessoria, em nota, Beto Richa disse que está aberto ao diálogo. “Quero me dirigir aos estudantes das escolas públicas do Paraná, a todos os professores, pais e mães que estão aflitos com a situação criada após a edição da medida provisória; todos concordamos que essa medida precisa ser amplamente debatida antes de ser implantada. É preciso ouvir opiniões, debater as propostas, identificar as divergências e construir as soluções”, afirmou.

Enquanto o número de escolas ocupadas cresce no Estado, o governo tenta por meio da Justiça a reintegração de posse das instituições, mas, até agora, não teve sucesso.

Também no HuffPost Brasil

Close
O sangue dos professores no Paraná
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção