Huffpost Brazil

Justiça do DF aceita denúncia e torna Lula TRÊS vezes réu na Lava Jato

Publicado: Atualizado:
LULA
. REUTERS/Paulo Whitaker
Imprimir

A Justiça do Distrito Federal aceitou denúncia do Ministério Público Federal e tornou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva réu pela terceira vez na Operação Lava Jato.

Desta vez, foi pelos crimes de de tráfico de influência, organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva na Operação Janus, um braço da Lava Jato. A investigação apurou irregularidades em negócios entre a Odebrecht e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras em Angola.

Além de Lula, também se tornaram réus o "sobrinho" dele Taiguara Rodrigues Santos, dono de contratos milionários com a Odebrecht, o empresário Marcelo Odebrecht e outras oito pessoas.

De acordo com o Ministério Público Federal, Lula era contratado pela empreiteira para dar palestras em países onde a empresa tem negócios. Nas viagens, ele encontrava chefes de Estado e autoridades com os quais intercedia em favor da Odebrecht. Os valores envolvidos, segundo o MPF, se atualizados, passam de R$ 30 milhões.

"No caso de Lula, a denúncia separa a atuação em duas fases: a primeira, entre 2008 e 2010, quando ele ainda ocupava a presidência da República e, na condição de agente público, praticou corrupção passiva. E a segunda, entre 2011 e 2015, já como ex-mandatário, momento em que cometeu tráfico de influência em benefício dos envolvidos”, diz trecho da denúncia do MPF.

Além dessa denúncia, Lula é réu em uma ação que envolve recebimento de vantagens indevidas pela OAS e em outra por suposta tentativa de obstruir a Lava Jato.

Em nota, o Instituo Lula diz que o ex-presidente é "vítima de lawfare, que nada mais é do que uma guerra travada por meio da manipulação das leis para atingir alguém que foi eleito como inimigo político". "Uma das táticas de lawfare é o uso de acusações absurdas e sem provas”, segue a nota.

Leia íntegra da nota:

O ex-Presidente Lula é vítima de lawfare, que nada mais é do que uma guerra travada por meio da manipulação das leis para atingir alguém que foi eleito como inimigo político. Uma das táticas de lawfare é o uso de acusações absurdas e sem provas. É o que se verifica nessa denúncia ofertada pelo Ministério Público Federal, recebida hoje (13/10/2016) pela Justiça Federal de Brasília. Nessa nova ação Lula é acusado pelo MPF de ter influenciado a concessão de linhas de crédito de R$ 7 bilhões para a Odebrechet e ter recebido, em contrapartida, um plano de saúde para seu irmão e a remuneração por duas palestras que ele comprovadamente fez – em valores que são iguais aos contratos relativos às demais palestras feitas pelo ex-Presidente a 41 grupos empresariais.

Lula jamais interferiu na concessão de qualquer financiamento do BNDES. Como é público e notório, as decisões tomadas por aquele banco são colegiadas e baseadas no trabalho técnico de um corpo qualificado de funcionários.

No prazo assinalado pelo juiz, será apresentada a defesa técnica em favor de Lula, que demonstrará a ausência dos requisitos legais necessários para o prosseguimento da ação e, ainda, que o ex-Presidente não praticou qualquer dos crimes imputados – sem qualquer prova – pelo MPF.

Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira

LEIA TAMBÉM:

- Mais uma? Réu em dois processos, Lula é novamente denunciado pelo Ministério Público

- Lula lá? Freixo aceita apoio do PT, mas dispensa a presença de Lula

- Lula é indiciado por propina de R$ 20 milhões para sobrinho, diz revista

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Momentos históricos da vida de Lula
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção