Huffpost Brazil

Assessores de deputado do PSDB recebiam propina da 'máfia da merenda' na Assembleia de SP, diz delator

Publicado: Atualizado:
Imprimir

máfia da merenda

Os pontos de encontro para a o pagamento de propinas da chamada máfia da merenda era a própria Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Ex-assessores do presidente da Casa, Fernando Capez (PSDB), recebiam a propina até mesmo no restaurante da Alesp. Segundo o delator, o valor combinado para os ex-assessores era de R$ 200 mil. Outros R$ 400 mil seriam para a campanha do deputado tucano.

As informações são do depoimento do delator Marcel Ferreira Julio, depoimento do principal delator da Operação Alba Branca ao Tribunal de Justiça, obtido pela Folha de S. Paulo.

Os pagamentos aos ex-assessores do deputado do PSDB, Jéter Rodrigues Pereira e José Merivaldo dos Santos, eram feitos em dinheiro vivo durante 2015.

De acordo com investigação da Operação Alba Branca, as fraudes e desvios na merenda do Estado aconteciam por meio de contratos entre a Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), prefeituras e a Secretaria da Educação do governo Geraldo Alckmin (PSDB). Dois contratos para entrega de R$ 11,4 milhões em suco de laranja são investigados.

Tucano nega envolvimento

Capez afirmou, por meio de nota à Folha, que "repudia com indignação a tentativa de envolver seu nome" com a máfia da merenda. Ele afirma que seu nome foi por terceiros para obter o dinheiro.

Sem comida na ocupação de estudantes

O presidente da Alesp, Fernando Capez negou a entrada a entrada de alimentos para os estudantes que ocupavam a Assembleia de São Paulo (Alesp), justamente pela abertura da CPI da Máfia da Merenda. Após dias de ocupação pelos estudantes, a CPI foi, enfim, aberta.

LEIA MAIS:

- Assembleia ignora Máfia da Merenda e cria Dia da Ação de Graça

- 'Não tem arrego!': O momento em que a Polícia Militar deixa a ocupação dos estudantes em SP

Também no HuffPost Brasil

Close
SP: Protesto contra 'Máfia da Merenda'
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção