Huffpost Brazil

O dia em que Emicida abalou a SPFW com diversidade e representatividade

Publicado: Atualizado:
Imprimir

spfw

O segundo dia de desfiles da SPFW foi encerrado nesta segunda-feira (24) com uma mensagem poderosa sobre diversidade e representatividade na moda. Os responsáveis por dar o recado foram os artistas e irmãos Emicida e Evandro Fióti, que estrearam a marca LAB nas passarelas.

spfw

A coleção, que combina influências africanas e orientais, foi apresentada por um casting de modelos e amigos da dupla, sobretudo, negros. Mas a diversidade de cores e corpos era grande. Eram gordos e magros, ostentando diferentes penteados e também carecas. Homens e mulheres que você poderia encontrar no seu dia a dia. À Vogue, Emicida falou sobre a escolha do casting:

"As passarelas do nosso País precisam ser um reflexo do que se vê em nossas calçadas. É muito importante que cores e etnias diferentes sejam vistas em um espaço que discute a beleza e a elegância."



Um dos destaques da passarela foi o músico Seu Jorge, que desfilou vestindo uma saia plissada e um moletom.

spfw

Realizada em parceria com o estilista João Pimenta, a coleção mostrou uma um mix de estampas gráficas, peças amplas, quimonos, calças e casacos com ombreiras, além de leggins - seguindo a tendência da moda sem gênero. Preto, branco e vermelho resumem a cartela de cores apresentada.

spfw

A estreia da LAB na passarela, teve inspiração na história de Yasuke, um samurai negro, que marcou a história oriental do século XVI. Emicida falou sobre a relação dessa narrativa com a marca:

"É algo similar ao que queremos fazer com este desfile. Ao lado disso, unimos a reflexão sobre o entendimento, geralmente tão raso, das contribuições da cultura da África para o mundo. Queremos ressignificar conceitos através das roupas, sugerir um novo olhar. Quando essa mudança te toca, todo seu universo é contaminado e você passa observar as coisas de maneira diferente. Se permite perguntar 'por que não'?."

spfw

À revista, Fióti falou sobre o objetivo da LAB:

"A gente quer mostrar um Brasil pouco ou nunca visto dentro dessa estrutura da semana de moda. O LAB ganha com a entrada no line-up e o SPFW ganha com a veracidade do nosso trabalho. Isso pode refletir positivamente na cabeça de várias pessoas, tomara que funcione como mais uma ajuda para mudar pensamentos e posturas de todo o ecossistema da indústria. É isso que espero colher."

Assista ao registro do desfile, feito pela FFWtv:

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Capas da Vogue com modelos negras
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção