Huffpost Brazil

Aluno acusado de estuprar três estudantes vai se formar em Medicina na USP

Publicado: Atualizado:
ESTUPRO USP
CPI investigou as violações dos direitos humanos nas universidades paulistas em janeiro de 2015 | Maurício G. de Souza/Alesp
Imprimir

Após cumprir um ano e meio de suspensão por ser acusado pelo Ministério Público de dopar e estuprar estudantes, o aluno da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Daniel Tarciso da Silva Cardoso, vai se formar.

Cardoso já cumpriu todos os créditos exigidos na graduação, mas estava suspenso desde 2014. Ele foi o único aluno que sofreu punição da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trotes. A CPI, que durou de dezembro de 2014 a março de 2015, apurou casos de violações de direitos humanos em instituições de ensino paulistas.

Agora, que já cumpriu sua suspensão, o aluno poderá colar grau.

Cardoso é acusado de ter estuprado, ao menos, três estudantes, de acordo com o UOL. Um destes casos virou processo, que tramita em segredo na Justiça de São Paulo. Ele é acusado de estuprar uma estudante de enfermagem durante a Med Pholia, uma festa tradicional promovida por estudantes de medicina, em 2012.

A vítima conta que, depois de tomar um drinque oferecido por Cardoso, perdeu os sentidos e foi levada por ele até a Casa do Estudante, um alojamento onde ficam os alunos onde foi estuprada. A estudante teria acordado com Cardoso em cima dela e, em depoimento, disse que gritou muito e tentou escapar, mas não conseguia, porque ele aplicou golpes de judô.

Além das acusações, o estudante de medicina já matou a tiros um homem durante o Carnaval em 2004. Cardoso, que foi policial militar entre 2004 e 2006, alegou que a briga teria começado porque a vítima se insinuou para ele.

Como o crime foi praticado quando estava em horário de folga, o ex-pm acabou processado pela Justiça comum. Ele foi condenado a um ano de reclusão. Houve recurso e o Tribunal de Justiça decidiu extinguir a pena, em agosto de 2012. Em 2008, ele pediu exoneração da PM.

Professoras protestam decisão

Professoras e pesquisadoras da Rede Não Cala USP, movimento criado para amparar vítimas de violência sexual e denunciar casos de estupro e abuso sexual, divulgaram uma nota de repúdio à decisão de deixar Daniel colar grau.

"Em 2016, o aluno está prestes a se formar. Entendemos que a apuração realizada pela Faculdade de Medicina optou por aplicar uma suspensão e aguardar o resultado do processo jurídico. Entretanto, tendo em vista a experiência de algumas de nós na realização de pesquisas na área, bem como nossa própria condição feminina, sabemos que as palavras das mulheres têm valor e precisam ser muito mais consideradas", disse a nota.

"Temos plena convicção de que a USP não pode correr o risco de diplomar alguém que pode ser um agressor, ainda mais para o exercício de uma profissão destinada ao cuidado, como é o caso da Medicina."

Segundo a nota, ao se omitir por medo de cometer uma injustiça com o agressor, a USP está cometendo uma injustiça com as vítimas. "Do ponto de vista institucional, precisamos também indagar o que compromete mais o nome da Faculdade: revelar tais casos ou proteger quem cometeu uma agressão? Além deste caso, muitos outros tramitam na Universidade ou acontecem e não são denunciados, por diversas razões - por medo, descrença na efetividade da ação institucional, predomínio da impunidade em casos de violência no país."

O grupo de professoras também exige a revisão da destituição da médica Maria Ivete Castro Boulos, que foi afastada no último dia 14, por e-mail, do cargo de coordenadora do NEADH (Núcleo de Estudos e Ações em Direitos Humanos) da FMUSP, órgão responsável por acolher vítimas de violência sexual.

Maria Ivete estava desde fevereiro deste ano à frente núcleo criado após a revelação de diversos casos de estupro na Universidade durante a CPI dos Trotes. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, a médica tinha mandato garantido até 2017, mas foi substituída pelo professor emérito Dario Birolini, especializado em cirurgia.

Uma das ações de Maria Ivete foi solicitar à Comissão de Direitos Humanos da USP que impedisse Daniel Tarciso da Silva Cardoso de realizar a última prova que precisava para concluir o curso e se graduar.

Outro lado

Procurada pelo UOL, a Faculdade de Medicina da USP afirmou que o aluno "cumpriu integralmente a punição de um ano e meio que lhe foi imposta pela universidade" e que está seguindo a decisão da Procuradoria Geral da USP.

Também procurado pela reportagem, o advogado do estudante, Daniel Alberto Casagrande, diz que as acusações de estupro não são verdadeiras.

"Foram instaurados três procedimentos apuratórios na FMUSP e nenhum deles reconheceu a ocorrência de estupro", afirma Casagrande. "A suspensão das atividades acadêmicas se deu por outros fatos, não pelo estupro. Há um processo criminal em andamento que, por tramitar sob sigilo, não pode ser comentado."

O HuffPost Brasil entrou em contato com a USP, mas não obteve resposta até o fechamento da reportagem. Daniel Alberto Casagrande não foi encontrado pelo portal para comentar sobre o caso.

LEIA MAIS:

- Ni una menos: Alto número de feminicídio levam mulheres às ruas de São Paulo

Também no HuffPost Brasil

Close
#PorTodasElas: Mulheres protestam contra Cultura do Estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção