Huffpost Brazil

O toque dos pais transforma o cérebro do bebê, afirma pesquisa

Publicado: Atualizado:
Imprimir

mother and daughter lwa

A criança quer ser abraçada e tocada desde o primeiro dia de vida.

E o toque carinhoso dos pais é muito importante para impulsionar o desenvolvimento saudável do recém-nascido e moldar o cérebro da criança, sugere um novo estudo.

Para muitos animais, o toque é um forte comunicador de emoções, um sinal que une pais e filhos. Para um recém-nascido, o amor do pai e da mãe pode ser tão importante quanto o alimento, como mostraram os macacos dos famosos experimentos de Harry Harlow na década de 1950 – os filhotes se agarravam a um boneco, mesmo que o leite viesse de outro lugar.

experimentos
No experimento de Harry Harlow, filhotes de macaco quase sempre abraçavam um boneco de pano, e só tocavam na estrutura de metal quando necessário.

Agora, anos depois das famosas experiências, pesquisadores da Alemanha e de Cingapura usaram ressonância magnética para determinar se carícias afetuosas afetam o cérebro humano de maneira mensurável.

“Exploramos se os toques diretos dos pais em seus filhos têm efeitos além da conexão social e se eles molda aspectos funcionais do cérebro em desenvolvimento”, escreveram os pesquisadores Jens Brauer, Annett Schirmer e seus colegas em um estudo publicado na edição de agosto da revista Cerebral Cortex.

Os pesquisadores reuniram cerca de 40 crianças de cerca de 5 anos e suas mães e pediram que elas brincassem com Playmobil durante 10 minutos. Os pesquisadores observaram quantas vezes as mães tocaram seus filhos e com que frequência as crianças tocaram as mães.

tocar

Dias depois, os pesquisadores mapearam o cérebro de cada criança enquanto elas estavam em repouso para observar os padrões de atividade. Eles se concentraram no “cérebro social” -- ou seja, a soma das redes neurais que nos faz lidar de maneiras diferentes com uma pessoa e uma maçã, por exemplo.

É o que está em ação quando expressamos comportamentos sociais e demonstramos empatia, tentando ver o mundo pelos olhos de outra pessoa.

Os pesquisadores observaram que a atividade cerebral nestas redes era mais forte nas crianças que receberam mais toques das mães.

“Já existe literatura substancial olhando para os efeitos positivos do toque em recém-nascidos”, incluindo ligações entre os toques e o crescimento e o desenvolvimento emocional do bebê, disse Schirmer, psicóloga da Universidade Nacional de Cingapura.

“O nosso trabalho mostra uma relação específica com o cérebro social ... e estende isso a um grupo de idade mais avançada, sugerindo que existem benefícios além da primeira infância.”

É quase impossível confirmar diretamente uma relação de causa e efeito entre o toque e o desenvolvimento do cérebro em humanos (os pesquisadores não podem privar uma criança do toque dos pais para fazer comparações), mas estudos em animais sugerem que essa relação causal existe, disse Schirmer.

As novas descobertas estão relacionada a uma época definida da vida das crianças, mas é provável que as mães mais carinhosas sempre tenham tocado bastante seus filhos e tenham ajudado a desenvolver seus cérebros desde o nascimento.

abraçar

“Só podemos especular que seja esse o caso. Mas nossas conclusões estão alinhadas com as evidências de animais não-humanos”, disse Schirmer.

“Portanto, se o que acontece nos seres humanos é comparável ao que acontece com ratos, então, sim, o funcionamento do corpo e do funcionamento do cérebro social estão sendo moldados ao longo do desenvolvimento pela quantidade de toque que os indivíduos recebem.”

“Note, no entanto, que o toque é provavelmente um dos diversos fatores no ambiente de uma criança que moldam seu funcionamento social”, acrescentou Schirmer.

Um toque suave e afetuoso chega ao cérebro por meio de uma classe de fibras nervosas na pele chamada de fibras aferentes.

Alguns cientistas acreditam que esse grupo de nervos evoluiu em espécies sociais, de ratos a humanos, e pode ser fundamental no desenvolvimento do cérebro social. Essas fibras nervosas, descobertas depois dos nervos que sentem dor e temperatura, respondem melhor a toques suaves e lentos.

Elas são encontradas principalmente na parte traseira do corpo e parecem estar ausentes nas palmas das mãos. Quando ativados pelo toque, os nervos desencadeiam uma cascata de efeitos hormonais no cérebro, sugerem estudos com animais.

carinho

Os macacos de Harlow derrubaram uma escola de pensamento prevalente no início do século 20, que via o amor incondicional como prejudicial para a educação adequada e a saúde mental da criança.

Sabemos agora que, como uma espécie social, os seres humanos nascem com um cérebro ansioso para buscar e formar laços sociais.

Mas algumas habilidades sociais que consideramos garantidas, como a capacidade de imaginar e enxergar o mundo pela perspectiva dos outros, só se manifestam a partir dos quatro ou cinco anos.

Isso mostra que o nosso cérebro social ainda precisa de anos de aprendizado, desde o nascimento até a adolescência, para amadurecer completamente.

“O toque é fundamental e pode ter muitos benefícios para as crianças", disse Schirmer. “Se bebês e crianças pequenas procuram conforto tátil de seus pais, eles devem atendê-las.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

Viver bem é o tipo de desejo tão universal que se tornou um direito. Mas não há fórmula ou mágica que o garanta, o que deixa, para cada um de nós, a difícil tarefa de descobrir e pavimentar o próprio caminho. A newsletter de Equilíbrio vai trazer a você textos e entrevistas sobre saúde mental, angústias, contradições e alegrias da vida. Assine aqui para receber novidades no fim de semana.

LEIA MAIS:

- Balbuciar e brincar podem ajudar a garantir a saúde mental dos bebês

- 'Dar voz à criança não pode significar que ela esteja no comando', dizem psicólogas

- 'A maternidade só pode ser tratada como experiência de plenitude e felicidade', critica psicanalista

TAMBÉM NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Livros para falar de emoções com crianças
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção