Huffpost Brazil

Em meio a processo de diálogo, Venezuela adia julgamento simbólico de Maduro

Publicado: Atualizado:
VENEZUELA
Marco Bello / Reuters
Imprimir

A Venezuela libertou três ativistas, e a oposição adiou na noite terça-feira (1) um julgamento simbólico do presidente do país, Nicolás Maduro, no Congresso, alertando ao mesmo tempo que deixaria o diálogo apoiado pelo Vaticano em dias se condições duras não forem cumpridas.

Maduro se encontrou com líderes da oposição no domingo (31) para o início de negociações para aliviar o impasse político entre o Partido Socialista, no governo, e o Parlamento liderado pela oposição, em meio à crescente crise econômica.

Além de suspender os procedimentos parlamentares contra Maduro, a oposição também concordou em adiar uma passeata planejada para quinta-feira (3) até o palácio presidencial, ato que o governo descreve como parte de um plano de golpe.

Contudo, os opositores exigiram que o governo liberte cerca de 100 ativistas presos e antecipe as próximas eleições presidenciais, condições que devem provavelmente enfrentar forte resistência dos líderes do governo.

As próximas eleições presidenciais na Venezuela estão previstas para o fim de 2018.

"Nós colocamos esses pontos na mesa não para que eles sejam tratados em meses, mas nos próximos dias e semanas”, declarou Julio Borges, líder opositor no Parlamento, durante sessão desta terça. “Caso contrário, vamos deixar a mesa de negociações e continuar com a nossa luta.”

Sem avanços concretos, disse Borges, a oposição reabriria o julgamento político e retomaria as manifestações. Centenas de milhares de pessoas tomaram as ruas na semana passada em protestos que resultaram em dezenas de presos e feridos.

Os adversários de Maduro o acusam de criar uma ditadura ao se apoiar em instituições condescendentes para bloquear um referendo revogatório e marginalizar a Assembleia.

O Partido Socialista perdeu o controle do Parlamento numa eleição em 2015 que foi pautada principalmente pela revolta dos eleitores por causa da inflação de três dígitos e a falta generalizada de produtos que tem impossibilitado muitos de comer três refeições por dia.

LEIA MAIS:

- Pressionado por greve, Maduro se compromete a dialogar com oposição

- Parlamento da Venezuela aprova abertura de julgamento de Maduro

- Para acalmar população e conter greve na Venezuela, Nicolás Maduro aumenta salário mínimo em 40%

Também no HuffPost Brasil

Close
Hugo Chávez
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção