Huffpost Brazil

Cidade do Rio declara umbanda como patrimônio cultural imaterial

Publicado: Atualizado:
UMBANDA
Ricardo Moraes / Reuters
Imprimir

A religião umbanda agora é considerada patrimônio cultural imaterial da cidade do Rio de Janeiro. O decreto foi publicado nesta terça-feira (8) no Diário Oficial do Rio, assinado pelo prefeito Eduardo Paes.

O decreto Nº 42557 de 7 de novembro deste ano declarou como patrimônio cultural de natureza imaterial a umbanda e criou o cadastro dos terreiros de umbanda.

Segundo o texto, o decreto visa a proteção da religião que nasceu no estado do Rio e mostra a necessidade da criação de políticas públicas de respeito à diversidade religiosa.

O decreto também considerou que "a reflexão acerca das religiões de matriz africana traz paralelo com atuações prévias do IRPH [Instituto Rio Patrimônio da Humanidade], como o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana e a proteção do Cais do Valongo."

Com isso, a Umbada será inscrita como Bem Cultural de Natureza Imaterial no Livro de Registro das Atividades e Celebrações.

O decreto também institui o cadastro dos terreiros, que lista os locais onde é praticada a religião. A Tenda Espírita Vovó Maria Conga de Aruanda, no Estácio (Rio), é o primeiro já cadastrado.

Religiões de matriz africana e crimes de ódio

As religiões de matriz africana, como a umbanda, são as que mais sofrem discriminação no Brasil. Dados do Disque Direitos Humanos, braço do Disque 100, mostram que do total de 504 denúncias registradas entre 2011 e 2014, 213 informaram religiões atacadas. Em 35% desses casos, trata-se de religiões africanas.

É preciso lembrar que a liberdade de crença é uma das garantias do Estatuto da Igualdade Racial, Lei 12.288/2010. A lei protege as religiões de matriz africana e os locais de culto. Apesar disso, organizações dizem que há cada vez mais casos de violação desse direito.

Um dos mais recentes aconteceu em setembro deste ano. Destruíram e incendiaram o Templo Religioso Hermínio Marques, onde eram realizadas cerimônias da umbanda e do candomblé em Araraquara (SP). Segundo a Polícia Civil, o episódio se tratava de crime de ódio.

A reflexão sobre a intolerância religiosa, inclusive, foi tema da redação do Enem 2016. A escolha do MEC (Ministério da Educação) foi elogiada, uma vez que a discriminação religiosa está longe de chegar ao fim.

LEIA MAIS:

- Redação do Enem propõe refletir sobre intolerância religiosa

Também no HuffPost Brasil

Close
26 livros para quem busca 'espiritualidade sem religião'
de
Post
Tweet
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção