Huffpost Brazil

Ex-refugiada de origem somali é eleita deputada estadual em Minnesota

Publicado: Atualizado:
ILHAN OMAR
STEPHEN MATUREN via Getty Images
Imprimir

Ilhan Omar se tornou, na terça-feira (8), a primeira americana muçulmana de origem somali a ser eleita para representar um Estado na Câmara, com uma clara vitória em Minnesota.

A maior batalha de Omar foi cravada durante as primárias de agosto, quando ela derrotou um oponente e garantiu a nomeação pelo partido democrata. Na Câmara ela vai representar um distrito diverso e liberal, que abrange a maior parte de Minneapolis.

Sua vitória também é vista como uma vitória nas causas progressistas e um impulso para eleger mais mulheres e representantes de minorias para cargos públicos.

Omar nasceu na Somália e passou quatro anos em um campo de refugiados no Quênia antes de imigrar para os Estados Unidos, aos 12 anos de idade. Ela contou ter ficado desapontada ao descobrir tamanha desigualdade racial, econômica e intolerância religiosa nos EUA.

"É a terra da liberdade e da justiça para todos, mas precisamos trabalhar para isso", contou ela ao Huffington Post no mês passado. "Nossa democracia é incrível, mas é frágil. Ela aconteceu através de muitos progressos, mas precisamos continuar o progresso para torná-la, de fato, 'justiça para todos'".

A desigualdade nos EUA foi o que a inspirou a se envolver com a política quando era uma adolescente, ao lutar por justiça em sua comunidade e em seu estado.

Aos 34 anos, e mãe de três crianças, ela adotou uma plataforma progressista, defendendo políticas educacionais acessíveis, reforma da justiça criminal, igualdade econômica e energia limpa.

O primeiro projeto de lei submetido pela agora deputada deve ser uma proposta que exige o registro eleitoral automático a partir do momento em que os adultos completarem 18 anos ou quando emitirem uma carteira de motorista, adiantou ela ao Huffington Post.

Ela reconheceu o significado histórico da sua candidatura e os desafios que superou para ganhar o assento na Câmara.

"Muitas vezes você é estimulado a ser tudo, exceto audacioso, mas acho que isso era importante para mim, competindo como uma jovem e competindo como alguém que é muçulmana, refugiada e imigrante."

"Acreditar na possibilidade que todas as minhas identidades ficassem em segundo plano e que minha voz como uma forte progressista iria emergir se eu fosse corajosa e acreditasse nisso - isso fez uma grande diferença para mim e para minha candidatura", finalizou.

LEIA MAIS:

- Trump lidera apuração e site de imigração do Canadá sai do ar

- Vitória: Flórida aprova legalização da maconha medicinal

- Após meses de islamofobia de Trump, eleitores muçulmanos reagiram

Também no HuffPost Brasil

Close
Hillary ou Trump? Eleitores dos EUA vão às urnas
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção