Huffpost Brazil

‘Não faço a menor ideia', diz Cláudia Cruz sobre a origem do dinheiro de Cunha'

Publicado: Atualizado:
CLUDIA CRUZ SRGIO MORO
Jornalista Cláudia Cruz prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro | Montagem/Reprodução/SBT/ALEP
Imprimir

Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que não sabia a origem dos R$ 1,5 milhão que ela gastou em compras no exterior.

Ré na Lava Jato desde 9 de junho, a jornalista se recusou a responder as perguntas feitas pelo juiz e pelo representante do Ministério Público. Só falou ao ser questionada pelo seu próprio advogado.

Ela disse que tinha apenas um cartão de crédito do banco Julius Bar e não sabia da existência de uma conta vinculada ao cartão. Afirmou ainda que nunca teve motivos para desconfiar do marido e que usava o cartão de crédito internacional para despesas pessoais, cuja fatura era paga pelo ex-deputado.

Questionada sobre a origem do dinheiro, ela respondeu: ‘não faço a menor ideia’. Segundo ela, Cunha teria condições de bancar os gastos e o marido sempre afirmou que a origem do dinheiro era lícita.

"Eu já conheci meu marido com ele me contando e eu sabendo que ele atuava em comércio exterior, que ele atuava em bolsa de valores, que ele tinha patrimônio no mercado imobiliário. (...) Ele ficava muito bravo, socava a mesa e sempre repetia: ‘O meu dinheiro é lícito’”, diz a jornalista sobre a reação do marido ao ler notícias sobre ele.”

Os investigadores da Operação Lava Jato acreditam que Cláudia era beneficiária de recursos não declarados por Cunha na Suíça. O depoimento dela foi prestado na ação penal a que responde pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Em junho, Moro recebeu denúncia apresentada pela força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato contra Cláudia Cruz e outros investigados que viraram réus. A denúncia é vinculada à ação penal a que Cunha responde por não ter declarado contas no exterior, que também será julgada por Sérgio Moro.

Cunha está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 19 de outubro.

Entenda a denúncia

Segundo a denúncia do MPF, o contrato de aquisição pela Petrobras dos direitos de participação na exploração de campo de petróleo na República do Benin, país africano, da CBH, teria envolvido o pagamento de propinas a Cunha de cerca de 1,3 milhão de franços suíços, correspondentes a cerca de US$ 1,5 milhão.

A propina teria sido paga por Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, proprietário da empresa vendedora, e acertada com o ex-diretor da Área Internacional da estatal, Jorge Luiz Zelada. O esquema teria sido intermediado pelo operador João Augusto Rezende Henriques e paga mediante transferências em contas secretas no exterior.

Parte da propina teria sido destinada a contas no exterior em nome de off-shores ou trustes que alimentavam cartões de crédito internacional utilizados por Cláudia para aquisição de bens e para despesas pessoais dela.

Os registros de gastos da jornalista mostram, por exemplo, 7,7 mil euros na loja da Chanel, em Paris, em janeiro de 2014, US$ 4,4 mil na Prada, em Roma, e US$ 2,2 mil na Victoria’s Secrets, de Miami, entre outros. Foram US$ 854.387,31 em artigos de grife, segundo a acusação.

O patrimônio de Cláudia Cruz saltou de R$ 1.617.519,09, em 1.º de janeiro de 2008, para R$ 4.029.025.65, em 31 de dezembro de 2014. Um crescimento de 149%, segundo dados da Receita Federal.

LEIA TAMBÉM:

- A volta do feriadão de Claudia Cruz será um encontro com Sérgio Moro

- 'Qual mulher que não faz uma compra independentemente do valor?', diz Claudia Cruz

- Prepare-se para novas aventuras de Cláudia: Moro devolve passaporte para mulher de Cunha

Mais no HuffPost Brasil:

Close
Hotéis de luxo frequentados por Cunha e família
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção