Huffpost Brazil

Após Garotinho, Sergio Cabral é o 2º ex-governador do Rio preso pela PF

Publicado: Atualizado:
SERGIO CABRAL
Britain's Foreign Secretary William Hague (R) greets Rio de Janeiro State's Governor Sergio Cabral after a meeting in Rio de Janeiro January 19, 2012. REUTERS/Ricardo Moraes (BRAZIL - Tags: POLITICS) | Ricardo Moraes / Reuters
Imprimir

O ex-governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) foi preso na manhã desta quinta-feira (17) pela Polícia Federal durante a Operação Calculite, considerada um braço da Lava Jato no Rio, baseada na delação premiada do empresário Fernando Cavendish.

Segundo a PF, a operação tem o objetivo de investigar o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo Governo do Estado do Rio. Ainda de acordo com a instituição, o prejuízo estimado pode ultrapassar os R$ 220 milhões.

O Rio vem atravessando uma das piores crises financeiras de sua história. Em junho desde ano, a poucos dias dos Jogos Olímpicos, o estado decretou estado de emergência econômica.

A prisão de Cabral acontece um dia após o também ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR) ter sido preso pela Polícia Federal em uma investigação separada que apura suspeita de fraude eleitoral no município de Campos dos Goytacazes, no Norte do Estado.

"São investigados os crimes de pertencimento a organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outros. Também participam das diligências 19 procuradores do MPF (Ministério Público Federal) e cinco auditores fiscais da RFB (Receita Federal)", acrescentou a PF em comunicado.

A operação

A Polícia Federal disse em nota que o esquema investigado pela chamada operação Calicute identificou "fortes indícios de cartelização de grandes obras executadas com recursos federais mediante o pagamento de propinas a agentes estatais, incluindo um ex-governador do Estado do Rio de Janeiro".

A PF esclareceu que a ação policial visa cumprir mandados judiciais autorizados tanto pela 13ª Vara Federal de Curitiba, que concentra as ações decorrentes da operação Lava Jato no Paraná, como pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que recebeu os processos decorrentes da Lava Jato no Estado.

No total foram expedidos 13 mandados de prisão e 14 mandados de condução coercitiva. A mulher de Cabral, Adriana Anselmo, e diversos assessores do ex-governador também foram detidos pela PF na manhã desta quinta-feira como parte da operação.

Cabral foi governador do Rio de Janeiro de 2007 a 2014 e conseguiu eleger Luiz Fernando Pezão (PMDB) como sucessor no governo do Estado. Ele teve papel de liderança na campanha do Rio para sediar os Jogos Olímpicos de 2016 ao lado do prefeito da cidade Eduardo Paes (PMDB) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O nome do ex-governador e também ex-senador era apontado há muito tempo como um possível alvo da Polícia Federal por suspeita de corrupção envolvendo contratos com empreiteiras em obras bilionárias, como a reforma do estádio do Maracanã. Em junho, a PF prendeu o dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish, ligado a Cabral e cuja empresa participou de diversas obras no Rio durante a gestão de Cabral.

Em 2013 o governador foi alvo de diversos protestos nas ruas do Rio, e manifestantes chegaram a montar um acampamento em frente a seu prédio para exigir sua renúncia.

Com informações Reuters

LEIA TAMBÉM:

- Anthony Garotinho é preso por suspeita de compra de votos

- Temer nega preocupação com possível cassação no TSE e minimiza denúncias na Lava Jato

- Ela voltou! 36ª fase da Lava Jato mira operadores financeiros

- Delegado da PF: Odebrecht pagava propina a ‘qualquer governo de qualquer esfera'

Também no HuffPost Brasil

Close
Lula na Lava Jato: Repercussão internacional
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção