Huffpost Brazil

Amal Alamuddin: 'A pior coisa que podemos fazer é não nos levantarmos umas pelas outras'

Publicado: Atualizado:
AMAL ALAMUDDIN
Amal Alamuddin Clooney participa de assembléia na United Nations General Assembly em New York em 20 de setembro | JIM WATSON via Getty Images
Imprimir

Desde setembro deste ano, a advogada especializada em direito internacional Amal Alamuddin Clooney representa a jovem Nadia Murad, de 23 anos, que foi vendida como escrava sexual ao comando do Estado Islâmico. A defesa da garota acontece na Corte Internacional de Justiça da ONU em Haia.

Ontem, em um discurso emocionante, a ativista falou sobre a relevância caso de Murad – bem como das milhares de vítimas de genocídio nas mãos da organização terrorista – durante o “Texas Conference for Women”, em Austin, nos Estados Unidos.

“A pior coisa que podemos fazer é não nos levantarmos umas pelas outras”, disse Alamuddin à multidão ao revelar sua decepção ao notar que tais problemas são deixados de lado.

E completou:

“Como mulher, me sinto envergonhada pelo fato de que meninas, como Nadia, têm seus corpos vendidos e usados, como campos de batalha. Estou envergonhada por ignorarmos seus gritos de socorro”.

A especialista já havia discutido sobre os perigos de lidar com o EI. Na ocasião, rebateu a ideia de que é possível destruir o grupo apenas por meio da força. “Você não pode matar uma ideia dessa forma”, explicou. “Uma das maneiras de agir é expor sua brutalidade e sua corrupção”, finaliza.

LEIA MAIS:

- Egito nega ter ameaçado prender Amal Alamuddin

- Saiba quem é Amal Alamuddin, a mulher que conquistou o coração de George Clooney

VEJA MAIS NO HUFFPOST BRASIL:

Close
Por que o feminismo é importante
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção