Huffpost Brazil

'Avião não tinha combustível suficiente para pouso em aeroporto alternativo', diz governo da Colômbia

Publicado: Atualizado:
AVIAO
Pane seca pode ser causa de tragédia da Chapecoense | REUTERS/Paulo Whitaker
Imprimir

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (30), o secretário de Segurança Aérea da Colômbia revelou que o avião da Chapecoense não tinha combustível no momento da queda. Segundo Freddy Bonilla, da Aeronáutica Civil, uma das hipóteses investigadas é de "pane seca", quando há o desligamento dos equipamentos elétricos do avião por falta de combustível. O acidente com o jato Avro RJ-85 matou 71 pessoas na Serra El Gordo, zona rural de Antióquia.

"O avião não tinha combustível suficiente para ir até Bogotá se precisasse", informou Bonilla, reforçando que o plano de voo determinava que Bogotá seria o aeroporto alternativo, caso a aeronave não conseguisse pousar em Rionegro, principal aeroporto de Medellín.

Pelo entendimento do governo colombiano, o piloto não teria cumprido o plano de voo aprovado pelas autoridades aéreas.

Além disso, a legislação da Bolívia, de onde é a empresa área do jato, a LaMia, determina que o avião tenha combustível suficiente para chegar ao destino, a um aeroporto alternativo ou para 30 minutos a mais que o tempo de voo.

Bonilla advertiu na coletiva:

"Qualquer aeronave no mundo precisa ter no mínimo uma quantidade extra de reserva para aguentar 30 minutos além do tempo previsto de voo e mais 5 minutos ou 5% da distância, para que assim se tenha uma segurança. Vamos investigar para saber por que a tripulação não contava com combustível suficiente."

Segundo Bonilla, 24 peritos colombianos estão trabalhando na investigação do acidente aéreo. Além deles, há pessoal boliviano e britânico — já que a aeronave foi fabricada no Reino Unido. Técnicos da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) vão se juntar aos investigadores.

Emergência

Áudio divulgado nesta quarta mostra a conversa entre o piloto do avião, Miguel Quiroga, e a torre de controle. Ele denuncia falta de combustível e declara emergência antes de o avião sair do radar. "Jesus", reage Quiroga.

Quiroga também era um dos donos da Lamia, empresa que conta com 15 funcionários.

De acordo com o governo colombiano, não há denúncias de irregularidades sobre a empresa.

Para o especialista e ex-piloto Carlos Camacho, a questão de o piloto ser um dos donos da Lamia pode estar por trás da ausência de capacidade de combustível da aeronave no momento do acidente.

"O comandante era um dos proprietários da empresa; ele parece ter atendido a critérios econômicos e não de segurança", analisou Camacho à GloboNews.

As causas da tragédia só serão reveladas após a análise das caixas-pretas do avião.

LEIA MAIS:

- Estádio de Medellín fecha porque não cabe mais gente querendo homenagear a Chapecoense

- Chapecoense vai velar atletas no estádio. E o Atlético Nacional promete usar uniforme da Chape

Também no HuffPost Brasil

Close
A trajetória da Chapecoense na Copa Sul-Americana
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção