Huffpost Brazil

Legalização da maconha nos EUA 'inverte' rota de tráfico com o México

Publicado: Atualizado:
MARIJUANA
shutterstock
Imprimir

O tráfico de drogas entre o México e Estados Unidos está tomando a direção inversa após a legalização do uso recreativo da maconha ser aprovada mais quatro estados, no referendo do último dia 8 de novembro nos EUA.

Durante a ocasião da eleição presidencial norte-americana, vários referendos foram votados, como a pena de morte, o ajuste do salário mínimo e a legalização do uso recreativo da cannabis - que foi aprovada no estado da Califórnia, Massachusetts, Nevada e Maine.

Além das quatro aprovações, a medida já existia em outros quatro estados e Washington D.C, ademais a legislação quanto ao uso medicinal da planta já está em vigor em 28 estados. O fato é que as decisões norte-americanas estão direcionando o contrabando da maconha, principalmente no México, que já tem sinais de rumos radicalmente diferentes.

"É o que eu chamaria de contrabando inverso, agora a maconha vai dos EUA para o México", afirmou Bernando Ng Solís, presidente da Associação de Psquiatras Latinos do EUA, durante uma conferência sobre "Drogas e Saúde Mental" no México. "É muito fácil conseguir maconha medicinal na Califórnia e há quem a traga para o México agora para consumo e a revenda aqui, depois de ter conseguido a erva legalmente nos EUA", declarou Ng Solís.

O México é o maior produtor de maconha do continente americano, e continua sendo uma indústria multimilionária que é dirigida clandestinamente por organizações criminosas.

Enquanto isso, para uma boa parte dos EUA e em breve, provavelmente, o Canadá - que em 2017 será votada a proposta de legalização - essa indústria cada vez mais demonstra que cairá nas mãos de empresários privados. Um estudo do Instituto Mexicano para a Competitividade (IMCO) considera que a legalização da maconha para fins recreativos em, ao menos, um quinto dos estados norte-americanos seja um golpe formidável para os narcotraficantes do México.

"Perder essa fonte de comércio seria a mudança mais estrutural no narcotráfico desde a chegada massiva da cocaína - entre os anos de 1980 e o começo de 1990", destacou o presidente da Associação. O especialista Alejandro Hope prevê que este processo resultará, no final, com a legalização da droga também no México; porém, é preciso superar numerosos obstáculos para isso, entre eles a opinião pública.

Uma pesquisa local mostrou que 76% dos mexicanos rechaçam a legalização recreativa da erva, em contradição aos 74% que são a favor do uso terapêutico. O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, enviou ao Congresso, em abril do ano passado, uma iniciativa para o uso da planta na medicina e para aumentar a dose mínima permitida (cinco gramas), no caso de porte pessoal, para 28 gramas.

A proposta enfrentou dura resistência principalmente pelo último aspecto. A Igreja Católica junto com frentes conservadoras não querem aumentar a quantidade para porte.

As mudanças norte-americanas afetam diretamente no narcotráfico mexicano, é o que defende o ex-chanceler Jorge Castañeda que propõe às autoridades federais mexicanas a "fechar os olhos" quanto ao trâmite da maconha.

É "absurdo" continuar "sacrificando vidas e recursos para queimar as plantações" e colocar postos de controle quando que depois de atravessar a fronteira "a maconha é legal", diz ele.

A causa é que uma outra parte da "lei da fronteira", onde "os Estados Unidos tem os consumidores e o México, a droga e os mortos", não vai mudar a menos que esse governo asteca tem faça alguma coisa a este respeito, recorda o jornal "The New York Times"

LEIA MAIS:

- Tarja preta: Anvisa facilita chegada de remédios à base de maconha às farmácias

- 6 mulheres que estão fazendo a diferença na legalização da maconha nos EUA

- A legalização da maconha é a grande vencedora da eleição dos EUA

Também no HuffPost Brasil

Close
Os casamentos americanos organizados em torno da maconha
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual

Sugira uma correção