Huffpost Brazil
Alexander Kjerulf Headshot

As 10 principais desculpas que você usa para não pedir demissão

Publicado: Atualizado:

Martin estava terrivelmente infeliz em seu último emprego, mas continuou nele durante anos.

Ele tinha muitas desculpas para isso. Uma era o dinheiro. Não a quantia em si, mas principalmente a segurança que lhe dava. Ele não tinha poupança e sim algumas dívidas, o que tornava assustadora a perspectiva de mudar de emprego.

O segundo motivo era a lembrança dos velhos tempos na empresa. No início tudo era ótimo, mas os problemas começaram quando um colega saiu e Martin ficou em seu cargo. O novo emprego veio a ser um pesadelo, por causa de um gerente ruim e enormes problemas de organização.

Durante muito tempo Martin pensou que as coisas mudariam, e fez o possível para solucionar os problemas, mas as coisas só pioravam e Martin desenvolveu muitos sinais de advertência. Ficava doente constantemente (gripes, dor nas costas e dor de cabeça), estava constantemente cansado, começou a adiar coisas e parou de se importar muito com a qualidade de seu trabalho.

Depois de muito tempo, encontrou um novo emprego e contou-me em um e-mail que assim que deixou o antigo trabalho seus sintomas físicos desapareceram e sua energia voltou. A única coisa que ele lamenta é não ter saído antes.

Se você está infeliz no trabalho, tenho certeza de que o pensamento "Cara, eu realmente devia sair" passa por sua cabeça de vez em quando.

Então por que não sai?

Mesmo que você deseje desesperadamente se afastar do seu horrível local de trabalho, colegas chatos ou chefes abusivos, você pode hesitar em realmente fazer alguma coisa porque logo depois desse impulso vêm vários outros pensamentos que o impedem de abandonar o emprego.

Essas desculpas podem parecer a voz da sanidade, oferecendo motivos perfeitos para ficar e suportar o mau emprego só mais um pouquinho. Mas olhe bem de perto e talvez eles não se sustentem. O que eles fazem é mantê-lo preso em um emprego que o está desgastando, lenta e simplesmente.

Aqui estão 10 das más desculpas mais comuns para continuar em um emprego ruim. Você já usou alguma delas?

1 - "As coisas podem melhorar."
Aquele chefe idiota poderá ser promovido para outro lugar. Aquele colega chato poderá sair. Aquela montanha de trabalho acumulado poderá desaparecer de repente.

Por outro lado, talvez nada mude. Ou as coisas podem até piorar. Se você já fez o máximo para melhorar sua situação no emprego e nada aconteceu, esperar que as coisas melhorem por si sós não tem muito sentido.

2 - "Meu chefe é um imbecil, mas se eu sair agora ele vence."
Quem se importa? Isto não tem a ver com vencer ou perder, é a sua vida. Vá em frente.

3 - "Eu não sou um desistente."
Adivinhe o que estas pessoas mais ou menos bem-sucedidas têm em comum: Larry Page, Sergey Brin, Tiger Woods, Reese Witherspoon, John McEnroe e John Steinbeck?

Sim, todos desistiram de Stanford.

O velho ditado de que "Os vencedores nunca desistem e os desistentes nunca vencem" é simplesmente besteira, e deixar um emprego ruim é muitas vezes a melhor opção.

4 - "Desistir ficará feio no meu CV e eu nunca conseguirei outro emprego."
Bem, não se você ficar em seu atual emprego enquanto ele lentamente o tritura. Na verdade, quanto mais você ficar em um mau emprego, mais ele roubará sua energia, otimismo, autoconfiança e motivação de que precisa para encontrar algo melhor. Vá em frente enquanto pode.

5 - "Se eu sair, perderei meu salário, minha posição social, o carro da empresa, o reconhecimento de meus colegas, etc."
Sim, deixar um emprego tem um preço, e isso torna tudo assustador. Todos sabemos disso intimamente.

Mas poucos jamais fazem esta pergunta: qual é o preço de ficar em um emprego que o deixa infeliz?

Esse preço pode ser muito alto. Ele pode arruinar sua vida laboral, mas também seu casamento, sua vida familiar, sua saúde, autoestima e sanidade. Não todas ao mesmo tempo, mas um pouco a cada dia.

6 - "Em todos os lugares é a mesma porcaria."
Isso é apenas absurdo. Há muitos locais de trabalho excelentes em todos os setores.

7 - "Eu já investi muito nesse emprego."
Você pode ter sacrificado muito tempo, energia e dignidade em várias tentativas de melhorar as coisas. Isso tornará mais difícil para você considerar-se vingado.

Isso me lembra como os golpistas nigerianos por e-mail atraem suas vítimas. No início é uma pequena taxa de poucos dólares, mas se você pagar a quantia cresce cada vez mais. A cada passo a vítima reluta em parar porque isso significaria perder todo o dinheiro que já gastou.

Saia e pronto. Continuar no emprego é aplicar um tempo valioso em algo ruim.

8 - "Vou perder meu seguro-saúde."
Essa é uma preocupação especial dos trabalhadores americanos, e tenho muita simpatia por esse argumento. Onde eu vivo (Dinamarca), todo mundo tem seguro-saúde grátis, independentemente de sua situação laboral, por isso não posso imaginar a força que isso deve dar aos empregadores.

Felizmente para os americanos, o Obamacare está facilitando obter seguro-saúde independentemente da situação de emprego, e segundo especialistas isso ajudará a reduzir a "trava no emprego", isto é, "quando as pessoas ficam em empregos de que não gostam, ou não querem, somente para conservar a cobertura de saúde".

E também pergunte a si mesmo se o seguro-saúde ligado ao emprego é realmente bom, se o emprego realmente o está deixando doente -- o que os empregos ruins certamente podem fazer.

9 - "Meu emprego paga muito bem."
Eu não tenho a menor simpatia por esse argumento. Não me importa se seu salário é muito bom; se o trabalho o torna infeliz, não vale a pena."

Pelo contrário, se você ganha muito dinheiro hoje, use essa segurança financeira para deixar o emprego e encontrar outro que o torne feliz. Encontrar um emprego de que você gosta também vai melhorar seu desempenho (empregados felizes são mais produtivos), potencialmente levando a mais promoções e a um salário maior."

10 - "Minha família depende de mim."
Entendo isso. Mas talvez fosse realmente melhor para sua esposa e seus filhos se você tivesse um bom emprego, para que não voltasse para casa todos os dias cansado, irritável, estressado ou frustrado.

A conclusão
Eis outro e-mail que recebi de um leitor de meu blog:

"Deixei meu emprego hoje! Não sei o que vou fazer agora, só sei que ao sair melhorei instantaneamente minha qualidade de vida."

Muitas pessoas ficariam muito mais felizes no trabalho se deixassem os maus empregos logo. Conversei com muita gente que finalmente conseguiu deixar um mau emprego e só desejava que tivesse feito isso antes. Conheci muito poucas que abandonaram empregos ruins e depois desejaram que tivessem continuado lá.

Não estou dizendo que é uma opção fácil -- na verdade, é uma das decisões mais difíceis que uma pessoa pode tomar na vida. E definitivamente não estou dizendo que deixar o emprego é sempre a opção certa -- há realidades financeiras e práticas óbvias a se enfrentar.

Por isso, você pode ter motivos perfeitamente bons para continuar em um mau emprego -- tudo o que estou dizendo é que vale a pena examinar minuciosamente os motivos para ter certeza de que eles são sólidos. Porque pode ser apenas o medo que está falando.

Sua opinião
O que você acha? Você já esteve preso em um trabalho péssimo? O que o impedia de sair? O que finalmente o fez sair? Eu esqueci alguma desculpa que as pessoas usam para não deixar seus empregos? Por favor, escreva um comentário, eu gostaria de ouvir sua visão.

--

Alexander Kjerulf, "Chief Happiness Officer", é um dos maiores especialistas mundiais em felicidade no local de trabalho e autor de Happy Hour is 9 to 5: How to love your job, love your life and kick butt at work [Happy hour das 9 às 5: Como amar seu emprego, amar sua vida e dar um pontapé na bunda do trabalho].

Alexander é palestrante, consultor e escritor, com um público global de milhões de pessoas. Ele dirige uma consultoria que oferece palestras, oficinas e treinamento de liderança com enfoque para a felicidade no trabalho para clientes como IBM, Hilton, LEGO, HP e Ikea.