Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Alexandre Andrada Headshot

O novo populismo de 'Bolsomito' e 'Cirão da Massa'

Publicado: Atualizado:
BOLSONARO E CIRO GOMES
Agência Brasil/Getty Images/Fotos Públicas
Imprimir

O sistema político brasileiro, desde 1994, havia se estruturado em torno de duas grandes siglas: PT e PSDB. Todos os demais partidos tornaram-se ou satélites ou parceiros oportunistas dos dois.

A Nova República parecia ter chegado à maturidade a partir da estabilidade da disputa entre as duas agremiações paulistas.

Mas tudo o que é sólido se desmancha sob o sol do sul do equador.

O PT é hoje um partido em decomposição. A combinação radioativa de uma crise econômica das mais severas de nossa história e uma enxurrada de denúncias de corrupção, fizeram a estrela do ABC perder seu brilho.

As eleições municipais deste ano mostraram o tamanho do estrago. O PT apostava todas as suas fichas em Fernando Haddad, não só para se manter na prefeitura da mais importante cidade do país, mas para criar um candidato forte para 2018.

O resultado de São Paulo, porém, foi um vexame para o partido e para Haddad.

Frustrada a renovação com Haddad, quem poderia ser o candidato do PT? Lula?

Talvez. Afinal, o lulismo sempre foi maior que o petismo, não por acaso o nome do ex-presidente sempre muito bem lembrando quando das pesquisas de opinião de votos.

Mas o ex-presidente tem dois problemas: uma taxa alta de rejeição e a incerteza sobre seu futuro.

Estará Lula nas cédulas eleitorais ou numa célula carcerária em 2018? Não sabemos.

O PSDB também é um animal em crise. Apesar do bom desempenho nas eleições municipais, o partido não consegue renovar suas lideranças, tampouco resolver suas disputas internas.

Para 2018 o partido deverá se fragmentar novamente em três segmentos: alckmistas, serristas e aecistas.

Em qualquer um dos cenários, seja quem for o vencedor, o partido provavelmente emergirá fragmentado e apequenado.

E sendo um desses três o candidato do partido, ele sofrerá de um terrível mal: sua associação com o impopular governo Temer e com o establishment político nacional.

Além disso, as delações no âmbito da Lava-Jato já atingiram Serra - o qual, segundo delação da Odebrecht, teria recebido recursos de caixa-dois no exterior no montante de 23 milhões - Aécio Neves - um verdadeiro habitué das delações até aqui - e Alckmin - supostamente o "santo" que aparece em planilhas da empreiteira baiana.

Em 1989, após o fracasso do governo Sarney, o povo estava farto da política tradicional. Os candidatos do PMDB e do PFL - pilares do governo Sarney - tiveram votações ridículas. O povo queria renovação, isso ficou claro na disputa de segundo turno entre duas novidades: Collor e Lula. Ambos demagogos e populistas àquela altura.

No contexto atual - algo semelhante com o do Brasil de Sarney - não é nada improvável que nas eleições em 2018 apareçam novos populistas, caudilhos e aventureiros.

E eles aparentemente já estão na praça. Os representantes mais vistosos desse grupo são Jair Bolsonaro e Ciro Gomes.

Ambos são feitos da mesma matéria: apresentam-se como homens sinceros, que falam o que pensam sem medo das consequências e da patrulha do politicamente correto (essa estratégia foi fundamental para a vitória de Trump nos EUA); ambos ganham popularidade nas redes sociais ao transformarem a política em um stand-up comedy, levando as claques ao delírio a cada nova piada; ambos têm se utilizado das redes sociais como plataforma fundamental de suas pré-campanhas ("Bolsomito" de um lado, "Cirão da Massa" de outro).

Ciro Gomes é aquela figura que foi do PSDB (chegando a Ministro da Fazenda por um breve período), foi do PPS (pelo qual concorreu à presidência), além de PSB, PROS e, atualmente, PDT. Ciro é a velha política brasileira.

"Cirão da Massa", porém, é o novo, o candidato boca-suja, aquele que tem a "coragem" de chamar Michel Temer de "salafrário dos grandes, conspirador filho da puta"; é que diz que mandaria Eduardo Cunha "tomar no seu ..."; que diz que o Congresso Nacional é "picareta".

"Cirão" é economista e promete resgatar o velho desenvolvimentismo, trazendo progresso e redenção, livrando-nos da armadilha de juros altos e câmbio apreciado. É como se Getúlio e JK tivessem reencarnado em Ciro.

Bolsonaro, por seu turno, é o representante dos defensores da pátria, de "Deus, da família e da propriedade".

Bolsonaro é patriota. Bolsonaro é militar e militarista. Bolsonaro glorifica a violência como estratégia política e social. Bolsonaro é "cabra-macho" e "tem aquilo roxo". Bolsonaro cultiva uma legião de idólatras. Bolsonaro é saudoso dos tempos "áureos" do Brasil de Médici e Ustra. Bolsonaro é "contra tudo isso que está aí".

Bolsonaro pontua bem em termos de Benitos.

Suas propostas para a presidência: redução da maioridade penal, estruturação de uma política de planejamento familiar, defesa da família, contra a "ditadura gay" e a "ideologia de gênero", pela revogação do estatuto do desarmamento, contra as demarcações indígenas, contra as cotas raciais, pela "escola sem partido", contra os direitos humanos, contra o auxílio reclusão, pelo trabalho forçado em presídios.

Cada uma dessas duas figuras representa uma faceta importante de nossa sociedade: somos pelo nacionalismo econômico (bandeira de Ciro) e somos conservadores nos costumes (bandeira de Bolsonaro).

Por isso mesmo, ainda que improvável, não é impossível que sejamos governados por uma dessas duas figuras em 2019.

Ou por Roberto Justus. Vai saber...

LEIA MAIS:

- Presidente Donald Trump e os descontentes com a globalização

- A legalização da maconha no Brasil e a economia do sertão nordestino

Também no HuffPost Brasil:

Close
10 séries de TV para quem gosta de política
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual