Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Beatriz Sanz Headshot

'Mulher pra mim nem de curiosidade. Mas longe de mim ser preconceituosa'

Publicado: Atualizado:
LESBIAN ILLUSTRATION
Kim Longhurst via Getty Images
Imprimir

Na última quarta-feira, (27) eu estava em um trem lotado, no horário de pico, indo para a casada minha namorada. Eu moro em Diadema, ela em Mogi das Cruzes e enfrentamos uma longa jornada em nome do amor.

Eu estava indo buscá-la no trabalho com uma rosa e o seu chocolate preferido, apenas para fazer uma surpresa, quando duas mulheres que estavam ao meu lado iniciaram o seguinte diálogo:

- Você viu que fulana é sapata?
- Vi menina! Que decepção, né?
- Uma morena tão bonita...
- Ah! Mas agora ligando os pontos, você lembra de como ela olhava pra sicrana? Já dava pra suspeitar!
- Longe de mim ter preconceito, viu. Mas a gente sabe quando a pessoa abraça e quando ela tem intenção.
- E no dia que beltrana foi embora? Qual era mesmo o nome dela?
- (Lembra o nome da terceira mulher), pois é, ela até chorou. O chefe perguntou se ela não queria embora também.
- O que ela quer na verdade é alguém que sustente ela!
- Você sabe, mulher é um bicho carente.
- Ai menina, mas que decepção! Mulher pra mim nem de curiosidade.
- Eu sei! Tem coisas que não dá pra substituir né? (risos).

Durante o tempo em que elas estavam conversando vários pensamentos cruzaram a minha mente, como interromper a fala e explicar de uma maneira calma o quão preconceituosas elas estavam sendo. Pensei em erguer o meu celular discretamente e apontar o papel de parede que é uma foto de um momento de carinho entre mim e aquela que amo. Pensei em dizer para ela que eu não sou uma decepção para minha mãe por namorar uma outra mulher. Mas acabei ficando quieta, talvez pelo prazer de ouvir a história até o final.

Aquelas duas mulheres não me agrediram com lâmpadas e eu sabia que por não ser a protagonista, aquilo não devia doer em mim. Mas doeu do mesmo jeito.

Eu pensei em como reagiram meus colegas do tempo de escola e da faculdade, meus amigos de infância, meus vizinhos, imaginei se eles fizeram os mesmos comentários sobre mim quando assumi minha bissexualidade e meu namoro com uma outra mulher. Pensei na minha mãe que mora em uma cidade do interior, onde tudo é de conhecimento de todos e em como ela se sai no meio dessa situação. Pensei nas minhas amigas lésbicas que sofrem com a própria família ou com a família da parceira por conta desse tipo de comentário.

Quando encontrei minha namorada perguntei se ela achava que eu era carente e narrei o episódio. Talvez, a pessoa que está lendo isso pense e faça um comentário sobre o quanto eu sou chata e politicamente correta. Mas eu só quero respeito e que você leve pra longe de mim seu preconceito disfarçado de opinião.

LEIA MAIS:

- Patrícia Abravanel diz ser 'contra falar que homossexualismo é normal'

- Patrícia Abravanel pede desculpas após declarações na TV, mas continua confundindo preconceito com opinião

- Patrícia Abravanel deveria ter aprendido com Hebe a combater o preconceito e não reforçá-lo

Também no HuffPost Brasil:

Close
10 momentos históricos da luta LGBT
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual