Huffpost Brazil
Beth Leipholtz Headshot

Os seis fantasmas de namorados do passado

Publicado: Atualizado:
499133747
Guido Cavallini via Getty Images

A Internet acaba de me informar que meu ex ficou noivo. Com os avanços da tecnologia moderna, seria de se esperar que o Facebook soubesse que não devia me mostrar esse tipo de coisa.

Mesmo assim, essa informação não chega a ser um susto ou um punhal enfiado em meu coração. É mais um “é mesmo? Ok, que bom para ele.”

Mas alguns anos atrás eu não teria reagido assim. No momento em que digito este texto, não posso deixar de pensar em quantas vezes na vida já fiquei de coração partido, sem saber como eu conseguiria me acostumar a viver sem a presença de certa pessoa – o que dirá ficar feliz por ela se ela seguisse adiante com sua vida.

Agora, para que namoramos, se não porque namorar nos ensina coisas que não gostaríamos de aprender? Cada pessoa especial que cruza nosso caminho deixa uma marca ou uma lição – às vezes sob a forma de cicatrizes, outras vezes como recordações agradáveis. Mas, no final, todas desempenham o mesmo papel: nos ensinam.

Veja alguns dos indivíduos que já cruzaram meu caminho e as lições que sua ausência me deixou. Algumas das lições ainda são recentes e dolorosas; outras ficaram no passado distante, e as feridas já cicatrizaram por completo.

1. O primeiro amor e/ou amor de sua vida

Esta pessoa lhe ensina mais sobre o amor que qualquer outra pessoa em sua vida desde o tempo em que você esteve com ela, e provavelmente também mais que qualquer outra ensinará no futuro. Ela foi seu primeiro “tudo”, e na época você provavelmente imaginou que seria seu último também. O mundo começava e terminava com a presença dela, e você jamais imaginou que algum dia ela deixaria de estar presente. Mas a vida começou a acontecer, como costuma ser o caso. Vocês dois cresceram, amadureceram e começaram a seguir rumos diferentes. Um ano se fundiu com o seguinte, e com o tempo vocês perceberam que ainda estavam juntos porque era cômodo e normal, não por amor ou paixão. Quando terminaram, sofreram tremendamente, mas os dois entenderam que era a coisa certa a fazer. Com sorte, vocês ainda estão na vida um do outro e sempre vão continuar a se amar, só que de um jeito diferente.

A lição: Não foi apenas uma lição. Essa experiência lhe ensinou o que é o amor, o que é a paixão, o que alimenta o desejo. Foi sua apresentação ao mundo do amor.

2. O substituto

Este sujeito aparece em sua vida depois do fim de seu relacionamento com seu primeiro amor. Depois de anos de relacionamento, de repente você se vê no “mercado” outra vez e não sabe como se virar nesse mundo. Esse sujeito aparece como um ombro amigo, alguém com quem você pode desabafar. Mas pouco a pouco você começa a pensar que talvez a relação possa se tornar mais que isso, apesar de uma voz pequena em seu íntimo implorar “não, não estrague essa amizade!”. Então você resolve dar à relação a chance que acha que ela merece. Só que não acontece aquele “clique” e a relação acaba morrendo.

3. O boa praça

Você sabe que esse homem é tudo que você deveria querer, que ele tem tudo que um dia o fará ser um ótimo marido. No papel, ele é perfeito. Você gosta dele e talvez até o ame, mas falta aquela faísca. Você o namora porque pensa que talvez, quem sabe, seus sentimentos possam crescer e virar algo maior, mas o tempo passa e isso não acontece. Um dia você percebe que isso não é justo para ele e que você precisa terminar a relação. Então termina.

A lição: Seu instinto inicial sobre seus sentimentos geralmente é certeiro. Não é possível forçar-se a amar alguém.

4. O mau caráter

Este homem que esconde o jogo pode surgir em qualquer momento de sua vida, e, quando o faz, vai consumi-la. Você não vai conseguir pensar em outra coisa; seus dias serão passados escrevendo torpedos, e suas noites ao telefone, até o dia raiar. Você ficará tão dominada por aquilo que pensa que vocês dois têm juntos que se recusará a enxergar o que todas as outras pessoas enxergam: que ele é um idiota arrogante e não a trata como você merece. Vai levar algum tempo para você se dar conta disso, mas você acabará voltando ao normal e entendendo o que você merece.

A lição: Não ignore os avisos de seus amigos. Se der ouvidos a eles, vai acabar se poupando muito tempo e sofrimento.

5. O namorado da faculdade

É a primeira vez em sua vida que você tem um relacionamento sem seus pais por perto para lhe controlar. “Quer dizer que posso dormir na casa dele? Sem o perigo de alguém voltar para casa de repente? Uau, vamos nessa.” Pelo fato de você de repente sentir-se como adulta vivendo um relacionamento de verdade, a dor será ainda maior quando tudo desmoronar. De repente, estar longe de seus pais não vai parecer uma liberdade, mas uma dificuldade, porque nessa hora você precisa do colo deles.

A lição: Tomar você mesma todas as decisões sobre um relacionamento e o ritmo em que avança pode parecer emocionante, mas é muita responsabilidade. Outra coisa: você sempre será aquela garotinha que quer a mamãe quando alguém parte seu coração.

6. Aquele que podia ter sido, mas não foi

Esta pessoa é praticamente uma desconhecida, mas você ama a ideia de quem é ou poderia ser. Vocês se conhecem e percebem que existe alguma coisa. Uma faísca, uma ligação, um entendimento em um nível mais profundo. Você sente, ele sente. Talvez alguma coisa saia disso, mas o mais provável que não passe de uma coisa isolada, atribuída ao timing e às circunstâncias. Mais tarde, você ficará imaginando o que poderia ter acontecido se as circunstâncias tivessem sido mais propícias.

A lição: Robin Scherbatsky a expressou à perfeição: “Se vocês têm química, só precisam de mais uma coisa: timing. E não é fácil o timing dar certo.” Simples, mas verdadeiro.

Então são esses os fantasmas de namorados passados. Cada um deles nos consome à sua própria maneira, mas tem um lado positivo. Com certeza o futuro encerra coisas melhores para todas nós. Mas nunca sabemos que estamos dando de cara com esses fantasmas até depois, quando o mal já foi feito.