Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Família Schurmann Headshot

'Devemos nos lembrar que a vida é tão frágil e especial'

Publicado: Atualizado:
Imprimir

Nesta grande aventura de dois anos (três contando a construção do barco) tivemos muita sorte. Sorte, na verdade, pode ser vista de várias formas. Poderia ser interpretada como "coincidência", algo "paranormal" ou até "espiritual", dependendo de pessoa para pessoa. No dicionário, sorte é "uma força imprevisível e incontrolável que molda eventos favorável ou desfavoravelmente por um indivíduo, grupo". Eu que acredito que o mundo é feito de mágica (além de muitas outras coisas) e, por isso, acho que faz muito sentido. De qualquer maneira, a sorte se manifesta.

A menina loira

Meus avós já estavam terminando a segunda volta ao mundo, em 1999, e eu terminando a 1ª série. Mas aquela aventura era diferente da primeira. Eles estavam com a Kat. "Tecnicamente", ela era minha tia, mas eu sentia como se ela fosse uma irmã mais nova.

2016-11-05-1478348824-1978823-KateEmmanuelSchurmann1.jpg

Adotada pelos meus avós, Kat teve a vida que ninguém poderia imaginar. Lugares mágicos, aventuras e uma vida completamente premiada. Ainda criança, Kat passava por uma experiência incrível, que eu vivo hoje, aos 25 anos.

Kat era uma menina loira, pequeninha, que dava muitas risadas e tinha mágica nos olhos. Ela nasceu com uma doença que ainda assusta e preocupa muito. Mas Kat nasceu para um mundo cheio de surpresas e pouco sabia que iria participar de uma das maiores aventuras, realizada por poucos.

Minha amizade com aquela menina loira pode ser traduzida em uma palavra só: "bagunça". (risos) Minha adolescência com ela era aprontar ao máximo. Muitas vezes, deixamos o cachorro entrar em casa para vê-lo feliz e bagunçando tudo. Navegamos juntos, a bordo do no Aysso, pela costa brasileira durante as minhas férias e essa era uma vida que qualquer criança aventureira amaria. Bons e doces momentos.

O segredo

2016-11-05-1478348966-9847920-EmmanueleKatSchurmann1.jpg

O segredo da Kat sempre foi um segredo até mesmo para mim, que foi revelado em um dos nossos últimos encontros. Foi a própria Kat quem me contou. Passamos a noite toda acordados. Foi um acordo que fizemos para aquela noite específica. Ela e eu nunca tínhamos passado uma noite em claro. Mas aquela foi uma noite diferente. Ficamos à noite toda comendo besteiras e conversando até a madrugada, como melhores amigos fazem. Na época, acho que tínhamos uns 11 anos.

Ela me falou: "posso te falar algo? Mas você não pode contar para ninguém". "Claro, claro", respondi achando que poderia ser alguma coisa sobre uma amiga ou algum objeto que deixou quebrar, colocando a culpa no cachorro etc. Alguma história de criança, sabe? Mas não. Ela olhou meio sério para mim, como uma tia olha para o sobrinho. Talvez, tenha achado que não era maduro o suficiente para saber, mas me explicou mesmo assim. Me falou que estava doente e, por isso, andava um pouco diferente e tinha que tomar tantos remédios.


Eu não entendia. Tinha 11 anos. Então, nem podia imaginar o que ela mesma entendia sobre o que estava me explicando. Mas a felicidade e a boa vontade dela não desanimaram aquela noite. E, então, continuamos com as brincadeiras até o sol nascer.

Desde pequena, Kat sempre tinha essa atenção especial quando se machucava. E sempre teve muita proteção para nunca ficar doente ou baixar a imunidade. Eu nunca entendia porque meus avós tinham tanta precaução e atenção especial. Hoje entendo.

Hoje percebo porque o segredo se manteve por tanto tempo. Querendo ou não, nosso mundo tem muitas diferenças. Muitas vezes, julgamos alguém ou algo por falta de conhecimento. Este assunto para mim é bastante sério e sim: dá medo de ver que está tão perto, especialmente de alguém que você ama. A última coisa que gostaria de ver era a pequena Kat sofrendo por preconceito ou bullying, entre outras formas de tormentas.

Hoje entendo muita coisa. Entendo porque meus avós adotaram a Kat, porque tinham tanto amor por essa menina loira e porque mantiveram a doença dela por tanto tempo em segredo.

2016-11-05-1478349301-8803345-EmmanueleKat.jpg

De tantas famílias que poderiam ter adotado a Kat e entre tantas opções de vida que ela poderia ter, por alguma razão, foi a nossa família que teve essa sorte. Fomos escolhidos e premiados com uma vida tão especial e única. No final, acho que devemos nos lembrar que a vida é tão frágil e especial. Devemos cuidar sempre da vida e amar os outros pelas coisas boas.

Ainda no estaleiro, quando estávamos construindo a embarcação da Expedição Oriente, foi - ao mesmo tempo - difícil e fácil escolher o nome do barco. Difícil para meus avós que ainda estavam com dor no coração da despedida dela, mas fácil decidir porque não poderia ser outro nome. Tinha que ser Kat. E aqui estamos prestes a concluir uma linda aventura a bordo do veleiro Kat.

E, a exato um mês da nossa chegada no Brasil, nossa família tem a grande oportunidade e a alegria de poder compartilhar essa história com vocês. Há seis anos, meu tio David Schurmann se divide entre a realização de dois sonhos: a Expedição Oriente e a produção, as filmagens e o lançamento de Pequeno Segredo. Chegou a hora de todo mundo conhecer, da melhor forma possível, a vida de Kat. Ela está pronta para iluminar também as telas grandes de cinema.

Confira aqui o trailer dessa belíssima produção, indicada para representar o Brasil no próximo Oscar. Um filme baseado em fatos reais, dos quais tive a sorte de vivenciar.


Abraços,

Emmanuel

LEIA MAIS:

- O que muda quando você viaja?

- O equilíbrio entre terra e mar

Também no HuffPost Brasil:

Close
Destinos incríveis da Família Schurmann
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual