Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Guilherme Leal Headshot

Negócios que rendem mais que lucros

Publicado: Atualizado:
SUSTAINABILITY
Hindustan Times via Getty Images
Imprimir

Transformar uma companhia que chegou a funcionar numa garagem em uma grande empresa de cosméticos é gratificante, mas o que me deixa mais orgulhoso é como o fizemos. Desde sua fundação, em 1969, a Natura se dedica à criação de valor social e ambiental. Nossa confiança no poder dos relacionamentos humanos nos levou a adotar um modelo de vendas diretas, permitindo que milhares de consultores gerassem renda. O espírito empreendedor deles nos ajudou a crescer rapidamente na década de 1980, mesmo em um contexto de recessão econômica no Brasil.

Durante essa década nós nos tornamos a primeira empresa de cosméticos a oferecer refis de produtos e lançamos produtos pioneiros que destacaram o valor da beleza não estereotípica.

No início da década de 1990 passamos por uma reestruturação, detalhando nossa razão de ser e explicitando nossos engajamentos e nosso modo de fazer negócios. Durante esse período, meus dois co-fundadores e eu discutimos como poderíamos traduzir nossos valores pessoais naquilo que desejávamos para a empresa. Acreditávamos profundamente que tudo no planeta é interdependente. Do mesmo modo, a longevidade das empresas depende de sua capacidade de contribuir para a evolução da sociedade e seu desenvolvimento sustentável. Para dar certo e sermos felizes, sabíamos que precisávamos cuidar uns dos outros e do planeta.

Então partimos para desenvolver produtos e relacionar-nos com nossos clientes e fornecedores com base nesses valores. Desde então a Natura vem se esforçando para mudar seus hábitos e adotar comportamentos mais sustentáveis.

Criamos e produzimos marcas sustentáveis que respeitam as pessoas e a biodiversidade, uma abordagem que está à base de nossa estratégia de negócios e que é um elemento fundamental de nosso P&D inovador. Hoje mais de 80% dos ingredientes da Natura são de base vegetal, e 12% são produzidos por fornecedores na Amazônia. Trabalhamos diretamente com mais de 30 comunidades locais que compartilham seus conhecimentos e os recursos naturais locais. Juntos, ajudamos a conservar a floresta em pé.

Para combater a pobreza e a desigualdade, fundamos o Instituto Natura, investindo todos os lucros de nossa linha de produtos Crer para Ver no apoio a projetos de melhoria do ensino público. Essa filosofia de sucesso que não se limita à procura do lucro anda de mãos dadas com o movimento B Corp, que está redefinindo a realização empresarial e promovendo a integração de métricas financeiras, sociais e ambientais. Em dezembro de 2014 a Natura tornou-se uma das maiores B Corps do mundo, uma incumbência grande para nossa empresa grande, madura. Isso reforçou nossos valores e nos levou a aprimorar ainda mais nossas políticas e práticas.

Não podemos fazer tudo isso sozinhos. Precisamos de uma sociedade civil mobilizada para fazer pressão por mudanças e de governos que criem políticas que ajudem abordagens sustentáveis a crescer. Mas para a Natura, tudo começa em casa. Nossa empresa pode ser um agente importante de transformação, algo essencial para a construção do mundo melhor que almejamos. Isso é ao mesmo tempo uma responsabilidade e uma oportunidade.

É hora de todos operarmos dentro dos limites sociais e planetários e de utilizar as forças singulares das empresas para resolver nossos maiores desafios. Ao mesmo tempo, podemos gerar empresas resilientes que produzam valor para todos os acionistas, incluindo a mais importante: a Mãe Terra.

Este post faz parte de uma série produzida pelo Huffington Post e a Sustainable Brands sobre o poder das metas na promoção do sucesso de empresas. The Huffington Post é parceira de mídia de SB'16 San Diego, a conferência da Sustainable Brands em San Diego de 6 a 9 de junho.

LEIA MAIS:

- A redefinição de sucesso nos negócios

- O poder de transformação dos negócios