Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

João Almeida Headshot

Gabriel Jesus, e sua necessidade de driblar outro adversário: o oba-oba

Publicado: Atualizado:
SOCCER PALMEIRAS
Friedemann Vogel via Getty Images
Imprimir

2015-09-07-1441613541-7004634-rib2116_1.jpg

(Foto: Marcos Ribolli)

Dentre tantos acontecimentos, um, em especial, chamou a minha atenção no clássico entre Palmeiras e Corinthians, no Allianz Parque.

O regente dos microfones, Cléber Machado, soltou uma frase no mínimo desnecessária sobre o garoto palestrino, Gabriel Jesus. Quando este levou o cartão amarelo, o narrador disse, evidentemente, a respeito da ausência que o menino faria ao time no próximo jogo contra os colorados no Beira-Rio.

O problema não foi ele falar isso. O problema foi ele ir além.

"Será uma ausência para o torcedor brasileiro", comentou.

Ai, ai, ai.

Analisemos. Como ninguém torce exclusivamente para a seleção canarinha - fora o pessoal que só assiste a Copa do Mundo -, não há torcedor brasileiro, de seleção. O torcedor brasileiro, dos outros times, querem, mesmo, que o prodígio palmeirense joguem contra os seus próprios times? Talvez, não. A última hipótese, mais provável, é do admirador, fã, entusiasta de futebol. Que, obviamente, torce para algum time. Voltemos à estaca zero.

"Ah, mas ele disse isso por causa que o garoto está dando gosto de ver. Está aprontando suas peripécias, e já marcou gols, além de salvar o Palmeiras mais de uma vez", diria um pertinente leitor.

Sim, está dando gosto de ver mesmo. É abusado, ousado, moleque. Disse não ter medo de intimidação, até. É simples, simpático, carismático. Carisma que não falta para um menino, driblador, com o sobrenome de Jesus.

O problema, de verdade, está nas entrelinhas da frase do narrador global. Parando alguns instantes para refletir, estamos presenciando uma enxurrada de Gabriel Jesus nos noticiários esportivos. Desde entrevistas na zona mista, virando assunto nas mesas redondas, e matérias com sua mãe. Na Globo, na Band, na ESPN Brasil, na internet, na boca do povo.

O garoto está chamando a atenção de todos. Pelos gols. E bonitos. Mas ele só tem 18 primaveras completas. 18, só 18. Nesta idade, pode tirar carta de motorista, o título de eleitor permanente e, na minha época, que nem é tão distante assim, não precisa mais de autorização dos pais para viajar.

18 anos para um garoto que, chutando alto, deve ter começado a correr atrás de uma bola com cinco, seis anos de vida. Brincando, como faz e precisa continuar fazendo em campo. Divertindo-se.

Mas 18 anos é muito pouco. Pode ter 10 anos de bagagem de campinhos, terrões, e bolas de capotão. Porém, nem uma temporada completa entre os profissionais. O físico é melhor do que o (clássico) "filé de borboleta" de Neymar, dito por Luxemburgo, em 2009. Ainda assim, a experiência, a malícia, a rotina, a pressão, os adversários, são totalmente diferentes dos que ele conheceu nas categorias de base. Aos poucos, vai ganhando cancha e maturidade dentro e fora das quatro linhas.

O que não pode é superestimar o garoto. Afinal, ele ainda tem 18 anos. Não se sabe o que acontecerá daqui a dois, três anos com ele. Ele pode ser um Douglas Costa, que ficou cinco anos ganhando experiência na Ucrância, e hoje está agradando Guardiola no Bayern de Munique. Ele pode ser um Lulinha, que despontou com recordes na base do Corinthians, chegou a ser especulado pelo Chelsea (!), e não vingou.

Deixe-o como Gabriel Jesus, jogador do Palmeiras, com 18 anos. Parece ter um belíssimo futuro pela frente. Deixemos trilhar esta carreira sem ultrapassar algumas barreiras necessárias. Ele adquiriu a maioridade outro dia também, volto a dizer pela enésima vez. Todo o cuidado é pouco. Ninguém se importa com o garoto além dos palmeirenses, que fique bem claro. Já era de se esperar o oba-oba criado em sua volta. Espero que com a sua habilidade, não seja difícil driblar mais esse adversário também.

LEIA MAIS:

- Por que relaxar?

- O retorno do Canindé: dentre festa, ofensas e apuros, esqueceram o futebol

Também no HuffPost Brasil:
Close
Sites elegem as 10 camisas mais bonitas da história do futebol
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual