Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Leonardo Prioli Headshot

Por que a sexta temporada de 'Game of Thrones' foi a pior de todas

Publicado: Atualizado:
Imprimir

Então eu assisti a sexta temporada e, no meu caso particular, eu gosto de esperar sair todos os episódios e assistir tudo de uma vez. Ao final da maratona de dez horas meu veredito foi: "uau, muito legal!" o que instantaneamente me fez me sentir mal comigo mesmo, será que eu não tinha nada um pouco mais elaborado para dizer? Com o passar do tempo e com a reflexão sobre o material assistido, eu mudei de ideia, para mim essa temporada foi de longe a pior até agora.

Atualmente no mercado audiovisual é possível ver um abismo separando as obras de consumo de massa daquelas crème de la crème das obras de arte. Enquanto a maioria dos filmes bluckbuster segue a forma de narrativa clássica, o mito do herói passo por passo, filmes independentes, de arte, costumam desafiar as formas de narrativas a ponto de chegar a ser difícil enxergar a mesma.

Essa separação e distanciamento é algo nocivo, claro, mas é essa uma discussão extensa e complexa que não cabe aqui. O fato é Game of Thrones, uma obra de consumo de massa, é uma das pouquíssimas a desafiar essa lógica e diminuir alguns centímetros desse cânion, ou pelo menos até a quinta temporada.

Temos em Game of Thrones uma trama multiplot no qual teoricamente qualquer pessoa pode morrer a qualquer momento, sendo assim, quem está assistindo espera que qualquer coisa aconteça. Essa característica muito simples é quase uma revolução dentro do mercado mainstream, acostumado com heróis de ação imortais. E isso é uma coisa boa, desafia as pessoas.

Mas sobre a sexta temporada: afinal, qual o problema com ela? Eu procurei na internet a opinião de quem tinha assistido, e é quase unanime que a atual temporada foi uma das melhores até agora, e nossa, aconteceu tanta coisa né? Eu discordo: para falar a verdade eu resolvi começar a ler os livros, As Crônicas de Gelo e Fogo, material fonte da série, de tão desapontado que me sinto hoje em dia, afinal são o que, umas cento e trinta e sete mil paginas de leitura? Coisa pouca!

O primeiro ponto fraco da atual temporada é trama que avança muito pouco; estamos poucos passos a frente de onde a quinta nos deixou. A última vez que vimos Tyrion na última temporada ele estava em uma cidade com insurgência civil, e com a Chefe de Estado desaparecida, e essa situação se estende com poucos altos e baixos até o final do oitavo episódio, quando finalmente temos algum indicativo de resolução. Theon, que estava fugindo de Winterfell ao final da quinta, foi para as Ilhas de Ferro, participou de uma assembleia para escolher o rei e então fugiu para encontrar Daenerys.

Isso para não falar de Sam que tudo o que fez nessa temporada foi chegar à cidadela, e isso para citar apenas alguns exemplos. Pobre Bran, que depois de uma temporada inteira sem aparecer surge agora como mecanismo de flashbacks, de história própria tudo o que lhe aconteceu foi a fuga da caverna. Seria possível reduzir os oito primeiros episódios para um, e deixar essa temporada com três episódios, afinal tudo que faz a história avançar parecem estar nos dois últimos capítulos.

Não me entendam mal, existem obras audiovisuais geniais nas quais "não acontece nada", mas na verdade nesses casos TUDO está acontecendo, porém em um segundo plano, em outro nível, as vezes não existe maneira melhor de sentir a frustração de um personagem do que assistir ele tentando acender uma vela em um lugar com muito vento durante quinze minutos. Obviamente esse não é o caso de Game of Thrones, pois a série possui uma proposta diferente, tem como objetivo principal o entretenimento, e sendo assim não se dá ao luxo de entediar ninguém, mas então por que toda a enrolação?

A minha teoria - impossível falar de GoT sem teorias né? - é que David Benioff e D. B. Weiss, os criadores da série, estavam tentando ganhar tempo, esperando o lançamento do sexto livro "Ventos do Inverno", para ter um material de base maior do que apenas consultas com George R. R. Martin; mas claro, isso é pura especulação minha. E como o livro ainda não saiu e talvez não seja lançado nem mesmo esse ano, por bem ou por mal o show tem que continuar!

A exceção é Jon Snow; ele é o único personagem que parece ter um arco dramático que é bastante desenvolvido. Mas "bastante" e "bom" são coisas distintas. Durante toda essa temporada acompanhamos nosso querido bastardo falhando, porém, persistindo em desafios e transpondo barreiras até se tornar o rei do Norte. O problema dessa trama toda é que ela se aproxima perigosamente da trama de seu falecido meio-irmão - ou primo - Robb.

O propósito de toda a trama do jovem lobo nas primeiras três temporadas é justamente criar um herói clássico que tem uma morte prematura no "casamento vermelho", tirando o chão do espectador, uma declaração que esse não é um universo de heroísmo, e não é uma narrativa clássica. E tudo isso parece um despropósito se tivermos agora o ressurgimento desse guerreiro romantizado na pele de Jon. A minha esperança aqui reside no fato da trama ainda não estar terminada, então espero que alguma reviravolta surja no caminho e impeça esse arco de ter um final tão clichê.

O pior aspecto, porém, da temporada inteira, para mim, é a falta de motivação dos personagens. Tudo parece acontecer pelo simples fato de que a trama tem que andar, e não por que os personagens estão se sentindo motivados a fazer algo. Qual a motivação de Davos em se envolver nos assuntos da patrulha da noite? Qual a motivação de Melisandre em tentar ressuscitar Jon?

Qual a motivação de todos os senhores do Norte em proclamar Jon seu rei, poucas semanas depois de praticamente todos terem virados as costas? Qual a motivação de Daenerys em proclamar Tyrion sua Mão? Eles mal se conhecem. Qual a motivação de Arya ao ter a ideia de ir para Oeste de Westeros? Ela não queria vingar sua família? Acho que ela só estava jogando conversa fora mesmo.

Essas entre inúmeras outras são acontecimentos com motivações muito pobremente construídos, eu não acredito, não "compro" nenhuma dessas ações. É mais fácil ver a motivação do por que Sansa escondeu que o exercito do Vale estava vindo ajudar na "Batalha dos Bastardos"do que qualquer outra coisa anteriormente citada.

E a Arya? Sem duvida o pior de todos os arcos! E nem vou mencionar a lógica difícil - eufemismo - da casa do preto e branco, nem a imortalidade da personagem. Bater em cachorro morto não tem graça. Eu quero criticar sua última cena nessa temporada - SPOILER - sua vingança contra Walder Frey. Nem todas as histórias tem uma moral, Guerra dos Tronos porem tem uma mensagem recorrente antiguerra e antiviolência.

Dois belos exemplos para pontuar são: 1- A patrulha da noite e os selvagens: após milênios de lutas de um contra o outro, o ódio entre esses dois povos se tornou tão profundo que aqueles que vestem o preto quase esqueceram que seus verdadeiros inimigos são os caminhantes brancos. Eles continuam nesse ciclo de violência e ódio gerando mais violência e ódio até que Jon Snow quebra isso trazendo o povo livre para Sul da Muralha, mas o ódio é tão enraizado que matam o Senhor Comandante por isso. 2- Daenerys abre as arenas de gladiadores para tentar acalmar os filhos da Harpia, e no final não adianta de nada, o ódio de um povo conquistado não será diluído com shows de violência.

Esses exemplos juntos com inúmeras outras situações na série possuem uma mensagem forte por trás: ódio e violência geram mais ódio e violência, e nunca trazem uma resolução satisfatória... exceto se você for a Arya Stark, ai você pode fazer qualquer tipo de perversidade por mais sadicamente doentia que seja, como fazer seu inimigo se alimentar dos próprios filhos mortos, que você ainda vai ser considerada a heroína.

Parando para pensar esse foi o mais cruel ato até agora na série, nem Joffrey, nem Viserys, nem Ramsey chegaram perto de algo tão terrível. Mas sendo sincero eu adoro a cena, e é umas das partes mais "divertidas" da temporada, mas é um prazer culposo (guilty pleasure), é possível se divertir muito com a cena pelo seu fator gore, mas quando comparada ao resto da obra, ela vai na contramão de tudo que já foi defendido.

No fim o "caso Arya" é um mau uso do fanservice, é preciso tomar cuidado quando se dá ao público algo que ele quer, pois nem sempre isso significa uma trama melhor. Se você fizesse uma pesquisa na segunda temporada para saber se os espectadores preferiam que o Robb Stark morresse ou continuasse vivo, acredito que a maioria escolheria que ele continuasse vivo, porém o "casamento vermelho" é um dos melhores momentos da serie toda! A sexta temporada está ai para provar que colocar um monte de fanservice não faz algo ficar instantaneamente bom.

Se o diabo está nos detalhes, abramos então as portas do inferno: Por que Davos demora tanto tempo para perguntar algo sobre o que aconteceu com Stanis ou com Shireen? Se ninguém sabia da possibilidade de ressuscitar Jon, por que resolveram proteger o cadáver quase gerando uma batalha? Como Arya conseguiu sobreviver a três facadas na barriga e ter força o suficiente para pular do segundo andar de uma casa? Como Arya transportou o corpo de uma pessoa morta através de uma cidade inteira mesmo estando esfaqueada e conseguiu entrar sorrateiramente na casa do preto e branco sem ninguém vê-la? Por que Jaqen H'ghar disse que Arya estava pronta mesmo depois dela ter falhado em todos os testes?

Talvez o único e verdadeiro teste fosse matar um membro mais velho da ordem e conseguir passar furtivamente por todos. Não existem outras casas nobres em Dorne? Não deveria ter uma crise sucessória e eventuais guerras pelo controle do reino lá já que a casa Martell foi extinta? Se não, por que essas outras casas de Dorne aceitaram esse golpe de Estado da Ellaria numa boa? Qual era a logica do Mindinho em fazer Sansa se casar com Ramsey? Por que o Sam demorou uma temporada inteira para chegar à cidadela enquanto todos os outros personagens viajam tão mais rápido? Todos os problemas em Meereen, Yunkai e Astapor foram resolvidos com a Daenerys queimando dois navios? Não vão ter mais problemas sociais? Ela realmente confia tanto assim em Daario como governante ou simplesmente desistiu de tentar resolver os problemas dessas cidades e decidiu ir pra Westeros e deixar a Baía dos Escravos se autodestruir? Ramsey não tinha nenhum espião entre o Vale e Winterfell para avisá-lo da aproximação de um exercito inteiro? Jon esqueceu que Bran está vivo?

Todas essas perguntas são só eu sendo chatinho, eu sei, mas existe uma máxima na narrativa clássica: se a trama é boa, os pequenos problemas do enredo vão ser ignorados, porém se ela é ruim, esses mesmos problemas saltam aos olhos. Para bom entendedor...

Para concluir, gostaria de dizer que eu não odiei essa temporada, ela tem sim muitos pontos fortes, e muita coisa que vale a pena, mas quando se coloca lado a lado com as outras, principalmente as quatro primeiras (a quinta deu um indicativo do que viria a ser a sexta), ela parece uma série completamente diferente, mal amarrada, mal construída e até mesmo com pequenas contradições aqui e ali. Mas apesar de tudo Game of Thrones continua sendo uma série incrível, e resta agora torcer para que a sétima e oitava temporadas voltem à antiga forma!

LEIA MAIS:

- 'O filme mais interessante da rainha dos baixinhos'

- 'Game of Thrones': Como a série derrubou três teorias de fãs

Também no HuffPost Brasil:

Close
'Game of Thrones': Estes pôsteres sinistros da 6ª temporada não vão te deixar dormir
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual