Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Luiz Valério Headshot

Um país no fundo do poço governado por uma classe política desacreditada

Publicado: Atualizado:
EDUARDO CUNHA
EVARISTO SA via Getty Images
Imprimir

Faz muito tempo que a classe política brasileira caiu em descrédito perante a população. E isso é um contrassenso lamentável, posto que a política é imprescindível para a vida em sociedade. Eu diria mesmo que é impossível ao tecido social funcionar devidamente sem a arte da boa política.

No entanto, ministros, deputados e senadores transformaram a política um balcão de negócios. Um toma-lá-dá-cá imoral. Em defesa de um "naco" de poder, nossos (?) políticos parecem dispostos a vender a alma ao diabo e a comprar a dignidade de quem estiver disposto a vendê-la por quaisquer moedas.

Como ainda vivemos num país em desenvolvimento, com um nível de educação baixíssimo, os políticos profissionais não enfrentam nenhum problema para encontrar miseráveis dispostos a trocar seus últimos resquícios de dignidade por alguma benesse que alivie seu desespero mais imediato. Nos rincões do Brasil o voto é trocado por qualquer coisa.

Nesse sentido, programas sociais são usados para arrebanhar multidões de necessitados que passam a depender das migalhas do governo. Uma simples menção ao possível fim de um determinado programa assistencialista faz com que multidões se insurjam e saiam às ruas para protestar, disposta a invadir agências bancárias, como aconteceu quando espalharam o boato sobre o fim do Bolsa Família.

O Brasil ainda é, sim, um País de pobres e doentes. Uma nação de pessoas ainda precariamente educadas. Tudo porque o governo investe pouco em educação e saúde e prefere manter milhões de brasileiros dependentes das migalhas que caem da mesa farta do poder, som para usar uma expressão da eterna presidenciável Marina Silva.

Um povo mal educado - no sentido de não ter acesso a uma educação de qualidade - é um povo que não sabe votar e, como consequência disso, temos um Congresso Nacional que mais parece um circo, como bem registraram os meios de Comunicação internacionais que cobriram a votação da admissibilidade do impeachment no fatídico domingo.

Aqui em Roraima não é diferente. A qualidade representativa das câmaras municipais - tomo a de Boa Vista como exemplo singular - e da Assembleia Legislativa é sofrível. Grande parte dos parlamentares são analfabetos funcionais que mal sabem fazer a leitura de uma ata. Os mais capacitados, mais preparados intelectualmente, são passados na casca do alho da malandragem e usam as prerrogativas de legislador para beneficiar a si mesmos e aos seus.

Um exemplo rasteiro: numa votação para derrubada de vetos impostos pela prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, a projetos de vereadores da capital de Roraima, na sessão da última quarta-feira (20), o presidente da Câmara Municipal achou escrito a seguinte mensagem numa cédula: "Teresa vai tomar no c...". Era o desagravo de um dos opositores da prefeita Teresa, indignado com o corte de quase R$ 4 mil na verba de gabinete em decorrência da diminuição nos repasses do duodécimo da Câmara pela Prefeitura de Boa Vista.

Entre os políticos locais, há os que há muito pouco tempo andavam de bicicleta pelas ruas de Boa Vista e hoje ostentam patrimônios inimagináveis, compostos por carrões e mansões dignas de Hollywood. Tudo à custa do erário. As matérias de revistas nacionais como Veja e IstoÉ, do ano de 2003, que registraram nossos escândalos de corrupção paroquiais estão aí, como arquivo, e não me deixam mentir.

Por tudo isso, o Brasil está onde está. E nada me garante que com a alternância de governo que se desenha - forjada a fórceps - haja alguma mudança para melhor. Aqueles que querem apear o PT e Dilma do poder estão mergulhados até o pescoço na lama da corrupção que escorre dos dutos do "Petrolão".

O pior é que se o PMDB assumir o poder central do País ainda corremos o risco de ver as investigações que ultimamente colocaram políticos e empresários endinheirados atrás das grades ser desmantelada. Apesar das garantias em contrário. O problema é que quem nos garante a continuidade da Lava Jato num possível governo temer não tem condição moral nenhum para isso, pois figura como um dos investigados.

Eis o nosso dilema.

*O autor edita do Blog do Luiz Valério

LEIA MAIS:

- Roraima terá condições de ajudar a Venezuela contra os efeitos do El Niño?

- Em Roraima, políticos parecem brincar com a inteligência da população

Também no HuffPost Brasil:

Close
Personagens do Impeachment
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual