Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Morgan Starr Headshot

Não, eu não preciso de uma filha

Publicado: Atualizado:
MENINOS
ADRIANA VARELA PHOTOGRAPHY VIA GETTY IMAGES
Imprimir

Aconteceu de novo ontem. Eu estava em uma loja com meus dois meninos, de pé na fila do caixa quando uma simpática atendente tentou puxar conversa com meus filhos. Na verdade, ela era bem meiga, mas obviamente notou minha enorme barriga e teve também teve que dizer a mesma coisa:

"Meninos, será que a mamãe vai ter uma menininha? Seria bom vocês terem uma irmãzinha, não é?!"

Os garotos estavam distraídos com outra coisa -- como crianças que são -- então fui forçada a responder por eles:

"Não, outro menino", eu disse com um sorriso no rosto.

Ela parecia chateada e disse:

"Puxa. Você precisa de uma filha. Alguém para esses meninos protegerem. Não há nada melhor do que uma menina!"

Eu dei uma olhada nos meus dois menininhos, que estavam de pé bem próximos de mim, segurando a mão um do outro. O mais velho estava inclinado e dizendo algo de forma bem fofa para o seu irmãozinho, provavelmente para ficar perto da mãe, já que esse era o trabalho que eu lhe dei: manter seu irmão por perto.

Eu realmente não sabia como responder a esse tipo de pessoa "bem-intencionada", então eu apenas sorri como resposta. Ela me deu as sacolas, eu agradeci e desejei a ela um belo dia e nós fomos embora.

Mas enquanto eu saia da loja, eu pensei que poderia ter dito um milhão de coisas diferentes:

"Como se eu tivesse o controle sobre o sexo dos meus filhos. Quer dizer que eu fiz meu pedido errado e este terceiro menino foi um tipo de golpe de azar?

Será que eu deveria tentar mais umas 16 vezes até conseguir engravidar uma menina já que se for pela experiência eu tenho certeza que somos incapazes de produzir uma". E, finalmente, "Eu nem quero ter menina".

E há uma verdade nisso. Eu nem quero ter uma filha.

No entanto, houve uma época que eu queria sim, ter uma filha. Eu sempre imaginei minha família com duas crianças: um menino e uma menina. Essa é a "imagem perfeita", certo? Minha própria família foi assim e foi bem legal. Inclusive, posso dizer que foi perfeita para mim.

Mas isso não serviu muito, e depois do ultrassom descobrimos o sexo do meu segundo filho, que me surpreendeu. Eu tinha tido sonhos que seria uma menina. Eu senti que seria uma menina. Mas o bebê era, sem sombra de dúvidas, um MENINO.

Eu gastei apenas 10 minutos da minha vida ficando decepcionada com isso e percebi como tudo isso era sem sentido. Um bebê saudável estava a caminho e seria legal ter dois meninos, para dar ao meu filho um irmão, independente do sexo.

Depois que ele nasceu, entretanto, eu sempre tive essa sensação de que alguém faltava. Será que era a sensação de que estávamos sem uma menina?

Não, não necessariamente, mas na minha cabeça eu tinha essa ideia que deveríamos tentar ter uma menina.

Então veio o bebê #3 e quando o perdemos no segundo trimestre, descobrimos que era um menino. Foi aí que as coisas mudaram para mim.

Depois de um período incrivelmente difícil após o aborto espontâneo, eu cheguei a uma conclusão sobre ter filhos. Nós podemos tentar, planejar, esperar, mas nada do que acontece está sob seu controle. Foi aí que eu compreendi como era abençoada por ter tido meus dois meninos saudáveis e eu decidi que sim, alguém fazia falta na nossa família, mas não necessariamente uma menina: era apenas mais uma pessoa.

E essa pessoa é meu MENINO bebê que estará aqui em mais algumas semanas.

Nos últimos anos eu comecei a gostar de ser uma mãe de meninos. Eu adoro como eles são fortes e durões, caem, sacodem-se e continuam brincando sem sequer pestanejar. Eu adoro ver o que lhes interessa, como brincam com seus trens, caminhões e bonequinhos de ação, ou quando saímos para recolher pedrinhas e pedaços de madeira.

Eu adoro sua paixão pela mamãe, sua garota preferida, a número um, e quando chega o fim do dia é comigo que eles querem estar, dar carinho. Ter meninos é perfeito para mim.

Então da próxima vez que um desconhecido qualquer me disser que eu preciso de uma menina, eu espero que esse desconhecido (quem quer que seja, já que isso aconteceu algumas vezes nos últimos meses) considere o que a palavra "precisa" quer dizer.

A "necessidade" é essencial, algo que a pessoa não consegue viver sem. Comida, água, proteção, oxigênio: esses são todos exemplos de necessidades. Ter uma menina seria um desejo.

Mas, agora, eu não desejo ter uma filha. Estou total e completamente feliz com o que me foi dado e meu coração está cheio de amor pelos meus três meninos. Eu acho que vamos ficar bem sem filhas; meus três filhos são suficientes para mim.

(Tradução: Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- 58 imagens que retratam a relação especial entre mães e assistentes de parto

- Pare de romantizar a maternidade: Mães são pessoas!

Também no HuffPost Brasil:

Close
25 selfies que mandam a real sobre a maternidade
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual