Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Nana Soares Headshot

A dor de Luiza Brunet é a dor de todas nós

Publicado: Atualizado:
LUIZA BRUNET
Reprodução/Instagram
Imprimir

Luiza Brunet, atriz e ex-modelo de 54 anos, registrou queixa contra seu marido, Lírio Albino Parisotto, por agressão. O processo corre em segredo de justiça, mas ela narra ter tido quatro costelas quebradas após discussão em Nova York no mês de maio. Na ocasião, ela viajou logo em seguida para o Brasil e registrou o crime, tornando-o público algumas semanas depois.

Bem sucedida, rica, famosa e com uma família bem estruturada, Luiza Brunet não escapou da violência doméstica. Em sua declaração pública, disse ser um constrangimento ter de se expor dessa maneira aos 54 anos, mas que em nome de todas as mulheres do Brasil achou necessário fazê-lo. Nós te entendemos, Luiza. E te apoiamos. Porque a violência contra a mulher é talvez a violência mais democrática desse País, atingindo todas as classes sociais e escolaridades. Ela nem de longe se limita aos pobres e sem educação formal - isso é um mito que perpetua um preconceito de classe.

Quando o assunto é violência doméstica, o fator de risco é ser mulher. Não interessa se branca ou negra, se rica ou pobre, se estudada ou não (embora, é claro, essas variáveis façam diferença em muitos momentos). O que nos torna vulneráveis numa sociedade machista é o nosso gênero, e volta e meia casos como os de Luiza Brunet aparecem para não nos deixar esquecer disso.

Agora foi Luiza Brunet, mas já tinha sido Luana Piovani, Daniela Perez. São cinco mulheres a cada dois minutos, segundo pesquisa da Fundação Perseu Abramo de 2010. É Ke$ha, é Amber Heard. A violência de gênero não livra ninguém, nem mesmo aquelas que vemos como privilegiadas. A Justiça, no entanto, nem sempre entende assim: vale lembrar que Luana Piovani sofreu um revés quando processava Dado Dolabella por agressão, em 2013. O relator do caso não considerou que a atriz era vulnerável por conta de sua situação econômica: "é público e notório que a indicada vítima nunca foi uma mulher oprimida ou subjugada aos caprichos do homem". Como se a lei Maria da Penha se aplicasse somente a uma parcela de mulheres e como se o dinheiro livrasse uma pessoa de sofrer qualquer tipo de violência, especialmente uma tão intrincada em nossa cultura.

Luiza Brunet é rica, branca e famosa, sim. Luana Piovani é uma das atrizes mais conhecidas do país. Daniela Perez era filha de uma das autoras mais consagradas e estava no ar em uma novela da Globo quando foi morta pelo namorado. Todas elas passaram pelo mesmo constrangimento, pela opressão de uma cultura misógina e machista (e que foi fatal para Daniela) e pelas humilhações de sofrer violência e de torná-la pública. Caso elas (ou qualquer mulher desse país) precisem de uma delegacia da mulher aos fins de semana, não vão encontrar. Mas certamente terão sua palavra posta em dúvida, seu papel de vítima relativizado e terão muito menos apoio - institucional e cultural - do que o agressor.

Não estou dizendo aqui que a situação financeira não faz diferença. Seria uma desonestidade, já que a dependência econômica é sabidamente um dos motivos que mais dificultam a denúncia das mulheres até hoje. Sabemos também que as mulheres negras morrem muito mais do que as brancas nesse país. O que estou dizendo é que há situações em que a discriminação e a violência se dão por conta do gênero, e Luiza Brunet viu isso da pior maneira possível.

O que estou dizendo é que, enquanto vivermos nessa estrutura patriarcal e profundamente desumana com as mulheres, há muito mais em comum entre eu, você, Luiza Brunet e todas que enfrentam a desigualdade cotidianamente. Enquanto o Brasil (e o mundo) considerar que nossa vida vale menos, a dor de Luiza Brunet doi no mesmo lugar que a minha. Cada agressão sangra em todas nós.

*Texto originalmente publicado em Comum. Violência doméstica, Lei Maria da Penha, agressões sofridas por mulheres e relacionamentos abusivos são alguns dos temas sobre os quais escrevemos e falamos com frequência lá na Comum (uma comunidade de empoderamento feminino e de troca entre mulheres). Se quiser saber mais e entender como participar, clica aqui.

LEIA MAIS:

- A possível nomeação de Fátima Pelaes é mais um baque para o movimento feminista

- O Canadá não é aqui

Também no HuffPost Brasil:

Close
Famosos que reforçam a cultura do estupro
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual