Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Ramon Blanco Headshot

O dia em que o mundo segurou a respiração

Publicado: Atualizado:
DONALD TRUMP
MediaPunch
Imprimir

Contrariando as pesquisas de opinião, Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos (EUA) e o será com maioria na Câmara e no Senado. Tal fato fez o mundo segurar a respiração. Não é para menos. Trump baseou a sua campanha na xenofobia, no protecionismo e no medo.

No plano interno, Trump ganhou, por um lado, por conta da sua opositora - Hillary Clinton. Para diferentes segmentos da população, ela não tinha apelo. Para aqueles que votaram em Bernie Sanders nas primárias democratas, ela não entusiasmava. Ao contrário, ela representava a ligação com as grandes corporações que este combatia. Para outra parte da população, ela não era confiável pois havia usado sua conta pessoal de email ao desempenhar funções como Secretária de Estado. A reabertura da investigação desse caso pelo FBI, dias antes da votação, reforçou esse sentimento.

Por outro lado, Trump vocalizou as insatisfações do americano médio, que viu a sua renda e oportunidades de emprego reduzirem. Hillary perdeu no coração industrial estadunidense. Assim, estados que haviam levado Barack Obama à presidência em 2008, e o mantido por lá em 2012, elegeram um republicano. A mudança em estados como Iowa, Michigan, Ohio, Pensilvânia, Wisconsin e Flórida foi determinante.

A eleição de Trump evidencia a face mais sombria da principal potência econômica e militar do mundo. Contudo, percebe-la como um fenômeno estritamente estadunidense é errôneo. Sua vitória é um sintoma do nosso tempo. Ela é mais um contundente indício das graves consequências do neoliberalismo enquanto ideologia dominante no cenário internacional. Ao aumentar a pobreza, a desigualdade, a concentração de renda e o desemprego pelo mundo, inclusive em países centrais, abre-se a oportunidade para que grupos nacionalistas e xenófobos canalizem as mais variadas frustrações e as capitalizem em diferentes eleições pelo globo. É míope dissociar a vitória de Trump do processo de longo prazo que levou à crise financeira internacional de 2008, ao crescimento do populismo nacionalista da extrema direita europeia, do Partido Independência no Reino Unido, de Marine Le Pen na França e ao Brexit.

Tal vitória, claro, tem consequências para a América Latina. A primeira delas tem a ver com a região como um todo. Um EUA mais protecionista afeta diretamente a região, pois esta é essencialmente exportadora e tem naquele um dos principais destinos de seus produtos. Individualmente, as relações tendem a ser tensas com México e distantes com Cuba. Tensas com o México por conta da possível revogação do tratado de livre comércio, deportação de imigrantes e construção de um muro entre os países. Com Cuba, é expectável um retrocesso no processo de reaproximação iniciado por Obama. Isto danifica as relações com todos os outros países da região, dada a centralidade do tema na mesma.

Normalmente, espera-se que os eleitos cumpram sua plataforma eleitoral. Com Trump é o inverso. A expectativa de que ele cumpra o prometido traz medo à população mundial.

*Artigo Originalmente Publicado no Jornal Gazeta do Povo

LEIA MAIS:

- A Reconstrução do Iraque e o Estado Islâmico

- Há o que comemorar no Dia Internacional da Paz?

Também no HuffPost Brasil:

Close
Celebridades engajadas em causas da ONU
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual