Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Rodrigo Borges Headshot

Comentando no Facebook nos anos 80

Publicado: Atualizado:
Imprimir

2016-07-30-1469842746-5526435-Calmagente_Post1101.png

Eu tenho poucas lembranças do início da minha infância e apenas flashes do período como um todo. A maior parte das lembranças vem por meio de fotos e histórias contadas por meus pais e parentes. Os registros são, quase todos, de momentos felizes e descontraídos. Mas há uma foto antiga minha que sempre me chama atenção.

Como se pode ver acima, eu estou todo encolhido, com cara de poucos amigos e prestando atenção para ver se alguém está olhando. Em resumo, fazendo birra. Eu não lembro ao certo onde estava, mas lembro que estava com fome e a comida não estava logo ali. Meus pais queriam caminhar um pouco mais, mas eu não, eu queria comer. Contrariado, usei todos os recursos disponíveis para fazer a minha vontade valer.

Todos conhecemos o possível constrangimento causado por uma criança birrenta. Eu não costumava fazer muito escândalo, era mais de ficar quieto, como prova a foto. De qualquer forma, um dos meus pais teve a paz de espírito para registrar o momento. Depois de alguma conversa e negociações, eu, obviamente, cedi, sob a promessa de que almoçaríamos o mais rápido possível.

Ao olhar para o registro da minha birra, eu penso em como já fui muito mais imaturo do que posso ser considerado hoje. Como eu, recorrentemente, agia de forma a autocentrada, baseado em um imediatismo irreal, incapaz de entender o universo ao meu redor, desejando que tudo se ajeitasse sem nenhum esforço meu. Eu parecia um comentarista de Facebook.

Com sorte e algum esforço, acredito ter superado a fase. Tenho meus momentos imaturos, mas estão sob controle durante a maior parte do tempo. Eu percebi que nem tudo sai como eu espero e que, se eu quiser que a realidade seja diferente, eu preciso agir. Também aprendi que meus atos têm consequências, muitas vezes incontroláveis, e que é preciso lidar com elas.

Se eu não estiver preparado, posso cometer mais erros do que acertos ao tentar consertar algo que penso estar quebrado. Posso, inclusive, prejudicar outras pessoas. Então, preciso me informar melhor, estudar direito, refletir sempre, senão posso me frustrar ainda mais, acreditando que o mundo está contra mim, quando, na verdade, eu é que não fui capaz de mudá-lo para melhor.

Infelizmente, imaturidade não tem idade e adultos infantilizados se atrapalham por aí, dividindo o mundo entre bem e mal, considerando que nada acontece por acaso e que há um motivo escuso para aquilo que acontece contra suas vontades. Mas, acredite neste antigo birrento, a vida é torta e mais complicada que isso. E, se for para mudar alguma coisa, comece por perceber se seu posicionamento se iguala ao dessa criança que ensaiava posts de Facebook antes mesmo da internet discada. Se assim for e você tiver mais de 18 anos, descruze esses braços, levante e assuma o controle. O almoço é logo ali.

LEIA MAIS:

- Senta, que lá vem a sua própria história

- Qual o tamanho do seu problema?

Close
7 maneiras de contornar as birras de seu filho pequeno
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual