Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Stephanie Ribeiro Headshot

6 filmes para entender por que a exploração infantil é um problema no Brasil

Publicado: Atualizado:
ANJOS DO SOL
Divulgação
Imprimir

Recentemente, na minha conta pessoal do Facebook, postei uma matéria que mostra fotos de bordéis em Bangladesh denunciando a violência a que estão sujeitas as mulheres que se prostituem nesses ambientes. Depois disso, infelizmente, vi pessoas dizendo que tais situações são distantes da realidade que vemos aqui no Brasil, o que me deixou muito indignada.

O documentário Nascidos em Bordéis, único filme feito na Índia desta lista, é uma denúncia da situação que aquelas mulheres vivem, em um local onde a extrema pobreza e as questões morais e religiosas as levam a esse único lugar, que é o da prostituição, onde, consequentemente, seus filhos tem pouquíssimas chances, nenhum estudo e, para suas meninas, pouco resta a não seguir o caminho da prostituição.

Isso é na Índia. Mas no Brasil não e tão diferente como alguns pensam. Existem muitas produções cinematográficas nacionais que fazem o papel de denunciar as reais questões de gênero que acometem mulheres. A prostituição e exploração sexual de menores não são escolhas, e sim consequências de um mundo de desigualdade social, racial e de gênero. Abaixo, listei alguns deles:

1. Nascidos em Bordéis (2004)

É necessário demarcar a diferença entre as mulheres que se prostituem porque querem e entre aquelas que fazem isso porque precisam e são de alguma forma obrigadas a isso.

Além disso, existe uma disparidade ainda maior entre prostituição e exploração sexual de menores, que apresenta números alarmantes. Segundo a UNICEF, a cada hora 228 crianças - e principalmente meninas - são exploradas sexualmente em países da América Latina e do Caribe.

O perfil das mulheres e meninas exploradas sexualmente aponta para a exclusão social desse grupo, a maioria é negra e vem de classes baixas. Por fim, no Brasil, 50% das vítimas de estupro no Brasil são crianças de até 13 anos.

Falar sobre algumas realidades que envolvem a prostituição no Brasil não significa criminalizar e odiar prostitutas, até porque muitas mulheres começaram sendo exploradas sexualmente ainda muito jovens. Essa é uma realidade onde marcadores sociais como classe, raça e gênero se interseccionam na possibilidade ou não de algumas mulheres e meninas de ter acesso e escolhas. Por isso segue a lista de filmes que retratam em parte essas situações de exploração sexual de menores, prostituição e miséria no Brasil:

2. Anjos do Sol (2013)

Anjos do Sol tem como foco a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes, o enredo se passa no interior do Maranhão, onde a personagem Maria (Fernanda Carvalho) com doze anos é vendida pela família para trabalhar como empregada doméstica e ter portanto uma vida melhor.

Contudo Maria cai nas mãos de um aliciador de menores, que a vende para uma cafetina interessada em comercializar meninas virgens para homens. Após ser vendida para um coronel a menina é estuprada por ele e pelo seu filho como forma de "iniciá-lo" sexualmente. Depois desse fato ela é enviada para um prostíbulo num garimpo onde passa a ser estuprada diariamente por diversos homens. Uma das suas colegas Inês (Bianca Comparato) é assassinada brutalmente por tentar fugir, já Celeste (Mary Sheila) está grávida e não sabe quem é o pai e por fim uma das garotas que fazem parte desse sua nova realidade tem AIDS já que no local não se usa preservativos.

O diálogo mais triste do filme é quando Maria pergunta para Inês, porque homens fazem isso com ela, se ela não gosta. Enquanto aperta o próprio ventre pois sente dor. É quase um documentário, um retrato real da violência sexual contra crianças e adolescentes, não atoa se diz baseado em fatos reais e tem como fim a prova que uma menina de doze anos, analfabeta e explorada sexualmente, não tem outra saída a não ser se prostituir seja no garimpo, no Rio de Janeiro, nas estradas com caminhoneiros. Esse filme demarca algo relevante de ser destacado que o cafetão da história é também um pedófilo que abusa, se envolve e prostitui menores de idade.

3. Sonhos Roubados(2015)

Jéssica (Nanda Costa), Daiane (Amanda Diniz) e Sabrina (Kika Farias) são as protagonistas desse filme, ambas negras, pobres e faveladas, que fazem da prostituição algo corriqueiro de suas vidas numa favela carioca. Tem temas muito fortes sendo tratados o primeiro o abuso sexual dentro de casa por familiares, a maternidade na adolescência negra e pobre, o abandono paternal, a prostituição como única possibilidade de renda para sustentar filhos, a imposição estética branca e a busca por se enquadrar e o desejo por afeto enquanto mulher e negra. A miséria no meio de uma das cidades mais ricas do país, meninas menores de idade que trocam seus uniformes escolares por roupas curtas e decotadas e se prostituem. Tudo naquela realidade em que sonhos são roubados, a vida de meninas que têm responsabilidades de adultos. Jéssica é o destaque para mim, mas esse filme é o que indico sempre que algumas pessoas querem "entender" a realidade de mulheres negras no Brasil, falar de mérito no nosso país ou supor que racismo e machismo não existem chega a ser cruel. Esse filme também tem seu roteiro baseado em fatos reais.

4. Iracema: Uma Transa Amazônica (2006)



A narrativa de Iracema é muito mais próxima de um documentário experimental. Ela é uma jovem de 15 anos, com traços indígenas, que chega em Belém com a festa do Sírio de Nazaré.

A menina então passa a se prostituir e em um bar conhece Tião, um caminhoneiro que a leva junto com ele pela Rodovia Transamazônica recém-construída. Por fim, a relação que vai se desenhando é abusiva a Iracema é muitas vezes tratada como burra pelo explorador de menores e companheiro de viagem que a deixa pelo caminho.

A exploração da menina é naturalizada. Iracema, após o abandono do "parceiro" acaba se vendo em várias situações trágicas colocadas pela prostituição: desde ser presa, agredida, e inclusive enganada. Tião reencontra Iracema suja, alterada pelo uso de drogas e sem um dente repetindo a frase: "Fica comigo Tião".

5. Baixio das Bestas(2012)

Baixio das Bestas é um dos filmes mais viscerais e cruéis que eu já assisti. Auxiliadora (Mariah Teixeira) é explorada sexualmente pelo seu avô Heitor que também é seu pai, na zona da Mata Pernambucana.

A menina de 16 anos é levada por ele para ficar nua em um posto da estrada. Caminhoneiros pagavam para vê-la nua enquanto se masturbavam. Em alguns momentos eles pagam para tocar na menina, sem seu consentimento. Contudo, o avô não aceita que tirem sua virgindade. Fato esse que ele mesmo confere que seja mantida.

O filme tem diversas cenas de estupro, o primeiro de uma prostituta pelo doentio Everardo (Matheus Nachtergaele) que é tido como intelectual. Ele a estupra e a agride com pontapés na cabeça. Depois ele estupra uma segunda prostituta coletivamente com seus amigos. Bela (Dira Paes) é agredida e estuprada com um bastão.

Por fim Auxiliadora é estuprada pelo estudante Cícero (Caio Blat) e agredida pelo avô/pai que acredita que ela é "impura" por não ser mais virgem. O destino de Auxiliadora é a prostituição, a jovem de 16 anos é a única personagem que ao longo do filme não tem falas, sua voz é ausente ao longo das horas de filme. Esse filme diz muito sobre um país onde grande parte dos estupros vitimam menores de idade.

6. O Céu de Suely (2006)

Hermila (Hermila Guedes), tem 21 anos, nasceu e foi criada na pequena cidade de Iguatu, Ceará, na Região Nordeste do Brasil. Grávida, tenta a vida em São Paulo com o namorado. Meses depois, não conseguindo emprego, porém, volta à sua cidade natal. Aguarda por um mês o retorno do namorado, pai da criança, que some, sem deixar pistas.

Ao perceber que foi abandonada, resolve mais uma vez fugir daquele lugar, mas desta vez, para o Rio Grande do Sul, onde talvez existam condições melhores. Sem dinheiro para a viagem, ela adota o pseudônimo de Suely, e resolve rifar o próprio corpo entre os homens da cidade. O melhor do filme é a cena final em aberto, nunca saberemos o que aconteceu com Suely, mas aposto com quase absoluta certeza que mesmo no Rio Grande do Sul a sua única opção seria a prostituição.

Muitos dizem que Hermila foi a caminho da sua liberdade o que me fez colocar esse filme logo após o Baixio das Bestas na lista, já que Auxiliadora demonstra se libertar do avô na prostituição.

Porém, mesmo que coloquem de uma forma "bonita", é triste como as chances são fadadas e nulas. Por isso trouxe por último esse filme que mesmo não sendo sobre uma menor de idade, diz muito sobre a realidade de meninas que são mães e carregam inúmeras responsabilidades desde cedo.

LEIA MAIS:

- De Blackface a Whitewashing: As representações racistas na televisão

- Nós negros não morremos só de tiros. Eu tenho depressão

Também no HuffPost Brasil:

  • Índia
    UNICEF/UNI147517/Romana

    Tulsi Prajapati mostra o vaso sanitário em sua casa em Madhya Pradesh, na Índia.

    Cerca de 50 milhões de pessoas em Madhya Pradesh defecam ao ar livre, e metade das crianças com menos de 3 anos sofre de nanismo, segundo o Unicef.
  • Nepal
    UNICEF/UNI199221/Karki

    Um estudante lava as mãos do lado de fora do banheiro em um centro de aprendizado temporário instalado pelo Unicef em Dolakha, um dos distritos afetados pelo terremoto ocorrido no ano passado em Nepal. Mais de 90% das escolas no distrito foram afetadas.
  • Madagascar
    UNICEF/UNI180146/Matas

    Meninas esperam na fila para usar as latrinas na Escola Primária Lohanosy, em Madagascar. A falta de banheiros separados muitas vezes impede as meninas de ir à escola, segundo o Unicef.
    A organização apoiou a construção de instalações de água e esgoto, salas de aula e um campo esportivo.
  • Níger
    UNICEF/UN07414/Tremeau

    “Meus filhos usam o penico, e depois eu o esvazio na latrina. Quando eles completarem 5 anos, poderão começar a usar as latrinas”, disse Djamila Mamane, de 25 anos, que tem dois filhos.
    “No meu caso, venho usando as latrinas por quatro anos. Há uma diferença real entre como a vida era antes e agora. Quando você vai aos banheiros no mato, pode encontrar outras pessoas; isso é realmente vergonhoso.”
  • Eritreia
    UNICEF/UNI178403/Pirozzi

    Uma menina carrega sabão e um pequeno jarro em direção à latrina da família, no vilarejo de Echet Tsaeda, na Eritreia, um país no leste da África.

    Três vilarejos em Fana, com o apoio do Unicef, foram declarados “sem defecação ao ar livre” em 2012. Isso significa que todos seus residentes se comprometeram a construir e usar latrinas e parar de defecar ao ar livre.

    Com isso, o abastecimento de água e o meio ambiente ficam protegidos da contaminação por fezes humanas.
  • Bolívia
    UNICEF/UNI189326/Gilbertson

    Aidi Panoso ensina o filho de 3 anos, Mateo Visalla, um dos seus gêmeos, a usar o banheiro em sua casa em Totorenda, uma comunidade Guarani na Bolívia. Antes da família ter vaso sanitário e água corrente, tinham de fazer suas necessidades no mato, correndo o risco de ser picados por cobras.