Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Susana Byun Headshot

Como realizar o sonho de estudar no exterior

Publicado: Atualizado:
13936024
Mikkel William Nielsen via Getty Images
Imprimir

Há pouco mais de dois meses, retornei ao Brasil de uma das experiências mais incríveis da minha vida. No final de 2014, fiz minhas malas e viajei ao Reino Unido para estudar um mestrado em Marketing Communications na Universidade de Westminster, no coração de Londres. Naquele ano, fui uma das cinco pessoas que receberam o full-fee scholarship oferecido pela universidade - uma das maiores conquistas que já consegui.

Durante um ano e meio, aprendi coisas novas da minha área, conheci gente do mundo inteiro, trabalhei, viajei, fiz amigos e passei um tempo precioso com familiares que moram lá. Ah, e claro, pude explorar Londres, que por si só é uma cidade apaixonante.

2016-06-30-1467313421-6966312-londonpainting.jpg

Como muitos amigos e conhecidos, estudar no exterior sempre foi um grande sonho meu e a motivação para passar um tempo fora do Brasil. Tendo passado minha vida inteira em São Paulo, ansiava por uma experiência diferente desde a época de graduação, anos atrás. No entanto, por razões pessoais, profissionais e financeiras, acabava deixando-o cada vez mais distante.

Foi só em 2014 que resolvi tomar coragem e tirar esse projeto do papel. Após passar por uma grande perda e uma mudança radical na minha vida, decidi me focar e ir a fundo, só que dessa vez sem desistir de primeira, nem me desanimar com as dificuldades que surgissem pela frente.

Em dois meses, corri com a minha aplicação para a pós de Marketing Communications e, posteriormente, ao processo seletivo de bolsas da própria universidade. Diferentemente do programa Chevening, me inscrevi diretamente no programa de scholarships da Universidade de Westminster, que fornece várias categorias de bolsas, desde o integral (full scholarship), que dá ajuda de custo completa, ao parcial (part-fee scholarship).

Durante este processo extremamente intenso e corrido, aprendi lições importantes e fui descobrindo, em mim, uma força de vontade e determinação que foram fundamentais para que eu conseguisse o meu objetivo.

Se eu pudesse resumir em três palavras o que realmente fez a diferença ao longo desta experiência, eu diria: planejamento, pesquisa e confiança. Pode parecer meio óbvio, mas foram essas as peças-chave que tornaram realidade o meu sonho de estudar fora. E eu explico como.

Planejamento

Morar fora exige sempre um bom planejamento, seja por seis meses, um ano ou mais. Os custos são altos, especialmente se for para um país com uma moeda valorizada como a Inglaterra. Além dos gastos fixos como moradia, alimentação e transporte, é preciso ter flexibilidade para arcar com despesas extras e emergenciais que acabem surgindo.

Mas calma, não se desespere. Separe um tempo para estudar como está sua situação financeira. Se faltar dinheiro, você pode compensar trabalhando no país de destino (se permitido) - atualmente, estudantes internacionais podem trabalhar 20 horas semanais durante o curso superior no Reino Unido. Não dá para fazer fortuna, mas pode dar uma boa aliviada nas contas.

Faça estimativas e simule gastos. Em Londres especificamente, aluguel e transporte são os itens mais caros do orçamento. Por exemplo, quanto mais perto a sua acomodação for da zona 1-2 (centro de Londres), mais custoso será o aluguel, mas em compensação o valor semanal/mensal que você paga no OysterCard (cartão de transporte público integrado) será menor.

2016-06-30-1467315075-428474-poundmoney.jpg

Em relação à bolsa de estudos, o planejamento financeiro é extremamente importante para entender que tipo de apoio você realmente precisa. Se você tiver um dinheiro guardado que te ajude a se manter, pode ser que uma bolsa full-fee ou part-fee seja o suficiente (muitas universidades britânicas oferecem bolsas parciais e programas de financiamento) .

É bom lembrar que as bolsas integrais, que cobrem tudo e também dão ajuda de custo, são extremamente competitivas em nível global e em menor quantidade. Portanto, a chance de consegui-la é bem mais difícil do que uma bolsa que cubra só o valor do curso, por exemplo.

Pesquisa

Junto ao planejamento, pesquise bem e bastante, mas também converse, troque ideias, pergunte. Deixe de lado a preguiça e a vergonha e use todas as ferramentas necessárias que você tem à disposição.

2016-06-30-1467313475-8858102-minions.jpg

No meu caso, se não fosse pela minha irmã me contar da Universidade de Westminster, eu teria tentado só o Chevening, que provavelmente demoraria mais de um ano para finalizar. Pela Westminster, foram menos de cinco meses desde a aplicação até a retirada do visto - passou voando.

Além disso, procure muito bem por universidades e cursos que estejam alinhados com o que você quer para sua carreira. Afinal, é um investimento bastante significativo. Não se atenha só ao ranking das melhores instituições ou informações que você achar na internet. Se quiser, contate ex-alunos e esclareça suas dúvidas diretamente com as universidades. Você não faz ideia de como tem gente bacana que pode te ajudar com dicas e conselhos.

Confiança

Quando eu digo confiança, não falo apenas confiar em si mesmo, mas confiar que vai dar certo, que há uma possibilidade sim. Claro, sentir incerteza e ansiedade é completamente normal, e eu passei por isso desde quando era uma estudante universitária nos meus quase vinte anos.

Por muito tempo, inculquei na minha cabeça que seria impossível conseguir uma bolsa de estudos. Assim como muitos amigos e conhecidos que sonham em estudar fora, eu me paralisava assim que eu via a lista de procedimentos e documentos exigidos e a concorrência internacional.

Pois bem, não pense nisso. Apenas tente, e persista até o final. Sim, há gastos envolvidos (documentações, traduções, IELTS) e é preciso muita dedicação e esforço, mas não deixe que isso te desanime ou te bloqueie. No instante em que parei de me preocupar em como não poderia dar certo, dirigi meu foco para o que realmente importava, e foi isso o que me ajudou a conseguir.

2016-06-30-1467313740-3511055-luggage.jpg

Concluindo, se você me perguntar se vale a pena mesmo estudar no exterior, digo a mesma coisa que eu falo aos meus amigos: sim, super recomendo a experiência de morar fora, seja o motivo e o tempo que for! É uma oportunidade única de abrir a mente e aprender com as vitórias, perrengues e tudo o que estiver no meio, além de ser uma bela experiência de vida.

Confie em mim! ;)

Imagens via Pixabay

LEIA MAIS:

- Alô, leitores do HuffPost Brasil!

- 5 coisas que você deve saber antes de considerar ir morar no exterior

Também no HuffPost Brasil:
Close
Países para estudar e trabalhar legalmente
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual