Huffpost Brazil
BLOG

Apresenta novidades e análises em tempo real da equipe de colaboradores do HuffPost Brasil

Tayná Leite Headshot

Por que eu continuo não indo para a rua

Publicado: Atualizado:
Imprimir

Então que o HuffPost Brasil me convida para escrever novamente um texto sobre as manifestações a favor do impeachment do dia 13 de março.

Eu estava refletindo sobre isso há alguns dias, já que o texto que escrevi no ano passado teve uma repercussão imensa, mas também doída.

Muita gente que não me conhece me xingou de coisas inomináveis. Me acusaram de corrupta, vendida, petralha, burra, "conivente com a tragédia que assola nosso país" e tantos outros adjetivos que jamais imaginei que seriam atribuídos a mim. Estando grávida e em um momento de maior introspecção e preservação, estava bastante dividida sobre me expor mais uma vez.

Eis que estou navegando inocentemente na minha timeline do Facebook e me deparo com um vídeo beirando o surreal - e que não compartilho por razões óbvias -.

No vídeo, o rosto do juiz Sérgio Moro é utilizado em uma montagem que é uma exaltação pitoresca à sua figura de "salvador da pátria". A partir disso, ele convoca as pessoas para ir às manifestações a fim de demonstrar insatisfação com o atual governo -- leia-se PT, Dilma e Lula porque muitos ignoram que o PMDB é governo e decide votações e tem a presidência de duas casas.

Então me dei conta de que a hora não é de preservação e sim de posicionamento. E o posicionamento não é - necessariamente - à esquerda ou à direita, mas contra a loucura e a polarização. Preciso sim, me posicionar contra essa idolatria de pessoas e figuras que em nada contribui ao debate político e ao avanço democrático.

Então, aqui vou eu.

Mesmo sendo repetitiva, sabendo que vou ler coisas desagradáveis, vou colocar as razões pelas quais, eu, Tayná, não vou para as ruas.

Sou contra toda forma de corrupção e não vou para a rua; mesmo não acreditando na inocência de Lula ou na candura do PT, eu não irei para a rua e jamais irei se for para estar ao lado de pessoas que se afinam com pautas de direita.

Sob a desculpa de estarem preocupadas com a corrupção, essas pautas querem restringir direitos conquistados a duras penas e são capazes de mascarar os problemas históricos desta nação que, como li esses dias no Facebook, sempre foi uma máquina de moer gente.

Continuo não indo às ruas domingo porque essa revolta é seletiva da mídia e também de muitas pessoas que ali estarão.

Esse protesto não é sobre corrupção. A Lava-Jato não é sobre corrupção. Se fosse, seu "garoto propaganda" não seria Áecio Neves. Se fosse, não veríamos, como no ano passado, faixas com #somostodosCunha escrito. Se fosse teríamos gritos e protestos contra Alckmin, Beto Richa, Serra e Fernando Henrique Cardoso.

Continuo não indo às ruas se não for para expor o Cunha, o PSDB, o PMDB e não adianta achar que uma faixa que diz "queremos que todos os partidos políticos respondam por seus atos" represente um real desejo de justiça e igualdade.

A corrupção não é novidade.

Certamente ela não é novidade para quem cresceu sem saneamento básico e asfalto porque a verba nunca chegou. Ela não é nada nova para quem não teve acesso à educação básica e à saúde por séculos e décadas, muito menos para os que vivem sem água no sertão ou para os que morrem todo ano nas enchentes fluminenses.

Então, não se engane dizendo que a sua revolta é com o nível absurdo de corrupção. Ela está aí, corroendo o Brasil há séculos de formas muito mais perversas e nem por isso você gastou seu teflon com isso.

Muitos dizem: "mas eu não vou domingo pedir a volta da Ditadura" ou "mas eu não apoio o Cunha ou Bolsonaro". Essas mesmas pessoas estarão lado a lado com essas mesmas pautas e este risco eu não quero correr.

Eu fui às ruas contra o Beto Richa e os deputados que massacraram os professores. Eu fui às ruas contra o PL 5069/2015 e o Cunha que ainda insiste em culpabilizar as mulheres vítimas de violência e nos tolher o pouco de direitos reprodutivos conquistados.

Eu não fui pra rua tirar foto com a PM ou abraçar o amigo com a camisa da seleção brasileira (que representa uma das instituições mais corruptas do Brasil e quiçá do mundo). Curiosamente, nessas manifestações não havia rua fechada para nós, nem cordão de isolamento.

Poucos que se indignarão domingo estavam lá apoiando as mulheres. Faltavam muitos dos defensores inflamados do Lula e das Instituições Democráticas. Não teve cobertura da grande mídia e as pessoas passavam com seus carros xingando e reclamando do trânsito.

Por que será?

Já nos dizia Mark Twain:

"Toda vez que você se encontrar ao lado da maioria, é hora de parar e refletir."

Eu não irei às ruas pedir o fim da corrupção ao lado de pessoas que, em muitos casos, não pagam seus impostos, vivem em Miami, mas nunca tem nada a declarar na alfândega e ainda se iludem "que roupa não entra na cota".

Eu não vou às ruas com quem apoia a redução da maioridade penal ou quem é contra a legalização do aborto e jamais, nem sob decreto, irei para a rua com quem acredita que um país com tantas desigualdades como o nosso, no qual a maioria da população é diariamente massacrada pelo Estado, esteja como está apenas por culpa do PT.

Eu não irei às ruas celebrar o Moro ou o MPF que se acham "paladinos da Justiça" quando estão, quando muito e com ressalvas, apenas fazendo seu trabalho.

Para mim, os fins continuam não justificando os meios.

Pode se tratar do Lula, do Cunha, do meu vizinho ou de quem for. Vou pelo caminho mais difícil da mudança. Aquele que passa por uma reforma profunda de valores e não pela destruição de tudo aquilo pelo que tantos deram suas vidas para conquistar.

Não, para mim Moro não é ídolo. Aliás, sequer é alguém que eu pessoalmente admire e sim, eu considero o MP - com raras exceções - um órgão do qual desconfiar; e não, jamais apoiarei nem dez nem duas medidas "contra a corrupção" que sejam também contra a Constituição.

Também não podemos continuar perpetuando discurso de ódio e culpando os outros pelos nossos problemas sem que nos dediquemos minimamente a aprofundar a reflexão e fazer algo para resolvê-los. Essa discussão Fla-Flu não nos levou a lugar nenhum.

Chamar o cidadão de "coxinha" não vai resolver em nada. Culpar o empresário que acorda cedo, paga impostos e que gera empregos também não. Ajuda muito menos aquele que defende o governo cegamente com unhas e dentes sem enxergar suas incoerências, sua hipocrisia e demagogia -- e o quão pouco o próprio PT fez para corrigir distorções históricas no tratamento que é dado ao cidadão pelo próprio judiciário que agora "os persegue".

Ainda assim, mesmo eu não indo para a rua por todas as razões expostas, acredito que o protesto é um meio valido de manifestar insatisfação e sei muito bem que nem todos que vão acreditam em todas as pautas ali colocadas. Acredito também que muitos dos que ficarão em casa são realmente iludidos e estão cegos pela ideologia.

Então, vá às ruas no dia 13 e demonstre sua posição. Vá em paz e proteste! Mas lembre-se quem estará ao seu lado e que tipo de pautas estão sendo reivindicadas.

E mais: nem o impeachment nem o status quo resolverão o problema. A única coisa que vai iniciar a mudança verdadeira é o olhar para primeiro para si, depois para o outro com atenção e empatia.

É sair da cadeira e da frente do computador e agir. É ler, estudar, empoderar, ocupar o espaço público, cobrar os políticos, votar com consciência e (de preferência ir votar).

Você pode achar que o maior problema do Brasil é a corrupção, mas não é. O maior problema do Brasil é o individualismo e a consequente desigualdade social. A corrupção é apenas sintoma de uma causa muito mais podre e pobre.

LEIA MAIS:

- O que comemoramos hoje?

- Brigar com todos os amigos e familiares ou mudar o mundo?

Também no HuffPost Brasil:

Close
Lula é alvo da 24ª fase da Lava Jato
de
Post
Tweet
Publicidade
Post isto
fechar
Slide atual